domingo, 5 de setembro de 2010

Lenda do Bálsamo na Mão...

Santuário de Balsemão
Na freguesia de Chacim, concelho de Macedo de Cavaleiros, existia outrora um rei mouro que exercia o seu domínio sobre aquela região. Este rei tinha muito mau feitio e aproveitava todas as oportunidades para humilhar os seus súbditos. Um dia, decidiu instituir um novo tributo, diferente de todos aqueles que tinha mandado executar antes: todos os homens que se casassem eram obrigados a entregar-lhe a noiva logo após a cerimónia do casamento. 
Este tributo tornou-se um hábito que gerou ódios e vergonha. Mas quem se atrevesse a contestar as ordens do rei seria severamente castigado. Um dia o cristão Joaquim resolveu casar-se com Marianinha, a moça mais bela de toda a região. 
Marianinha nem queria pensar em pagar o infame tributo, mas Joaquim disse-lhe que não se preocupasse porque tinha um plano e, com a ajuda de Nossa Senhora, Marianinha não cairia nas mãos do cruel rei mouro. Casaram-se numa pequena igreja e, logo à saída, estavam os soldados à espera de Marianinha. Joaquim convenceu-os a juntarem-se a ele e a alguns amigos com o propósito de levarem ofertas ao senhor mouro daquelas terras. 
O rei mouro já tinha ouvido falar da beleza de Marianinha e mal podia esperar para tê-la nos seus braços. Mas quando lhe retirou o véu, verificou que não era ela mas sim Joaquim que apertava nos seus braços. 
Desembaraçando-se das suas roupas de mulher, Joaquim retirou um punhal que tinha escondido e cravou-o no peito do rei mouro antes de fugir. Agonizante, o rei pediu as cabeças de Joaquim e de Marianinha para as pisar antes de morrer. Os guerreiros mouros lançaram-se na caça ao homem. Joaquim e os seus amigos ainda lhes fizeram resistência mas a desproporção era grande e foram quase todos dizimados. 
Marianinha prometia fervorosamente um novo templo à Virgem enquanto Joaquim caía no chão ferido de morte. Por milagre, Joaquim reparou que nas suas mãos nascia um bálsamo que curava as feridas e começou a gritar aos seus companheiros moribundos que esfregassem as mãos com aquela substância. Os guerreiros mouros, aterrorizados, viram os mortos e os moribundos a erguerem-se do chão, a pegarem nas armas e a entregarem-se à luta com uma paixão desmedida. 
Apesar da desvantagem numérica, os cristãos conseguiram fazer com que os mouros partissem em debandada. Desde então, aquela terra conquistada aos mouros ficou a ser conhecida como Terra de Nossa Senhora de Bálsamo na Mão e, mais tarde, Lugar de Balsemão onde ainda hoje existe uma ermida em honra de Nossa Senhora de Balsemão, no alto do Monte Carrascal.

1 comentário:

José M. Manso disse...

É uma, muito interessante, recriação da lenda de Balsemão.
Todavia, o referido bálsamo existe, é o Ládano, extraído da Esteva “Cistus ladanifer” (planta da região, que dá uma flor com cinco pétalas brancas, cada uma com uma pinta vermelha, conhecida como flor da cinco chagas de Cristo) e que possui extraordinárias qualidades medicinais, nomeadamente as de poderoso anti-hemorrágico, cicatrizante e calmante imediato, além de anti-inflamatório, antissético e até afrodisíaco, além de muitas outras ...