segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Não "Marchava" agora uma Alheira?

Foram inventadas pelos judeus como artimanha para escaparem às malhas da Inquisição.
Como a sua religião os impedia de comerem carne de porco, eram facilmente identificáveis pelos seus perseguidores pelo facto de não fazerem nem fumarem os habituais enchidos de porco.
Assim, substituíram a carne de porco por uma imensa variedade de carnes, que incluía vitela, coelho, peru, pato galinha e por vezes perdiz, envolvidos por uma massa de pão que lhes conferia consistência.
A receita acabaria por se popularizar entre os cristãos, mas estes juntavam-lhe a omnipresente carne de porco.
Vamos lá então, fazer umas alheiras:
Ingredientes:
1 kg de peru
1 kg de vitela
1 galinha gorda
2 kg de carne entremeada da parte da cabeça do porco
10 dentes de alho
4,5 kg de pão de trigo
1 l de azeite
2 malaguetas
cerca de 200 g de colorau
Sal
Numa panela com água temperada com sal, três dentes de alho e as malaguetas picadas, põem-se as carnes bem lavadas, para cozerem. Quando as carnes estiverem cozidas, desfiam-se e cortam-se aos bocadinhos. O caldo volta ao lume. Para uma caldeira, corta-se o pão às fatias finas, escalda-se com o caldo a ferver, passado por um passador de rede. Tapa-se para abeberar. Depois colocam-se as carnes, por cima os restantes dentes de alho picados e o colorau. Rega-se com o azeite bem quente. Mexe-se bem com uma colher de pau e enchem-se as tripas de vaca, bem lavadas. Atam-se dos dois lados, dando dois nós; dá-se um nó, depois volta-se a tripa e dá-se outro. Deixam-se cerca de quinze centímetros de fio, para enfiar a vara no fumeiro. Lavam-se em água tépida e põem-se no fumeiro, onde ficam durante cerca de um mês. Cozinham-se de preferência assadas nas brasas, em lume muito brando. Previamente devem ser picadas com uma agulha, enquanto assam, para evitar o rebentamento. Servem-se, por exemplo, com grelos e batatas cozidas.

1 comentário:

Ana Cristina Freitas disse...

A receita é um tanto elaborada para os meus poucos dotes culinários (rsrssr), mas acho que posso improvisar um pouco com o que tenho... ou deixar para provar esta tradicional receita no feliz dia em que eu estiver à conhecer Portugal.
Obrigada sempre pela sua atenção e carinho !!!
Bjss no seu coração