sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Fábrica Mirandesa cria 20 postos de trabalho


O secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Daniel Campelo, considera a unidade transformadora da Cooperativa Agropecuária Mirandesa (CAPM) “um investimento de referência na fileira da carne”.
Instalada na zona industrial de Vimioso, a unidade tem uma capacidade de transformação, numa primeira fase, de cerca de 300 toneladas de carne de bovino mirandês por ano, sendo administrada pela CAPM.
A fábrica será dotada de quatro linhas de transformação de carnes, sendo a primeira dedicada ao desmanche das carcaças, uma outra ao embalamento das peças de carne, e uma dedicada à confeção de produtos pré-cozinhados e charcutaria, assente em receitas regionais.
Dentro dos pré-cozinhados estão incluídos a jardineira, mão de vaca ou outras receitas “importadas”, como almôndegas e hambúrgueres. 
Exportações já representam 300 mil euros de facturação
“Para já estamos a comercializar peças embaladas em vácuo, charcutaria, pré-cozinhados e outros derivados. Agora temos a possibilidade de chegar ao consumidor final com a carne comercializada em cuvetes dimensionadas para as necessidades de cada cliente ou com a comida pré cozinhada”, avançou o director comercial CAPM, Nuno Paulo. 
A nova unidade transformadora custou cerca de quatro milhões de euros, sendo financiada em 38 por cento por fundos do PRODER. Inicialmente, a nova unidade dará emprego a 20 pessoas e, numa segunda fase, poderá chegar aos 30 postos de trabalho.
A exportação de carne de bovino mirandês para países como a França, Alemanha ou Luxemburgo é uma das metas a atingir, sendo que a facturação com as exportações já ronda os 300 mil euros. 
António Luís, presidente da CAPM classificou a inauguração, realizada na passada quarta-feira, como um “sonho antigo, agora concretizado”.
in:jornalnordeste.com

Sem comentários: