quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A Pesca...sem isco...


E lá se foram as férias…
Quer queiram quer não, os anos ensinam-nos a valorizar coisas que quase ignorávamos, ou menorizávamos.
As espetadas da minha cunhada, com carne de pato e, eu a mamá-las como se fossem vitela.
Cunhado?  De que é feita esta espetada?
Sei lá…de  xicha! Pois mas é daquela que não gostas.
Será que sabemos do que gostamos? Será que queremos bater a bota sem termos sequer a humildade de  valorizar o que temos?
Gosto das espetadas da minha cunhada. Dos pimentos, da cebola…do pato pensei que não, sabendo que é pato.  Pois é, dizemos aos miúdos, como sabes que não gostas se nunca provaste?
Ontem o meu velho, meu amigo, meu camarada , meu tudo…veio aqui.
A Catarina, não gosta de presunto…
Depois do nosso repasto, diz-me a minha Santa Sogra… A MAIOR MULHER que conheci:
Nunca conheci ninguém que não gostasse de presunto…mas, mas, a Catarina não gosta.
A Dulce deu-me a volta…
Apetece-me regressar ao trabalho.
Gosto de trabalhar e não me apetece literalmente nada reformar-me. Sinto que sou IMPORTANTE, passe a presunção, no espaço que ocupo na minha função. Um dia hei-de ser substituído mas, nunca por fingir que sou MALUQUINHO…
Este ano, nas minhas férias, não tive a tempo inteiro o meu companheiro de jornada, o meu puto. Limita-me…intelectualmente...
Mesmo assim ele vem, todos os dias, para vermos os Milhafres, impreterivelmente, entre as 8 e meia da noite e as 9, já escuro, passarem-nos, rés-véz, às orelhas…
Todos os dias aquela hora aquele casal ali está!!! Temos a mania que só nós temos o controle do tempo, da vida…engano, o tempo é de todos…sempre, todos os fins de tarde, aquela hora, lá estava o casal a sobrevoar as nossas cabeças…
Uma formiga, uma aranha…incomoda-me e, nós,…todos os fins de tarde…incomodamos aquele casal...que vai à pesca quando nós regressamos a saber do jantar...
Eu daqui a dois dias vou para o fumo…aquele casal regressa ali…respira…
Gosto de trabalhar mas sinto-me sufocado.
Gostais de Lagostins? A minha companheira não os come mas, até se perde a pescá-los.
Entendeis?
O  que se passa connosco? Andamos à procura de quê quando, temos a felicidade aqui tão perto…
Para quê tentar o sufisma e a miragem?
Se pudesse…ia todos os dias à pesca com o meu querido filho.,.
TODOS OS DIAS!
À minha querida filha, agora, tenho que lhe dar o espaço que precisa…
Cá estou e cá estarei…!

HM

Sem comentários: