terça-feira, 24 de maio de 2016

A Reintrodução do Camponês

Depois de reintroduzir o urso nos Pirenéus, o lince ibérico na Serra Morena, o pica-ossos nos Picos da Europa, o bufo-real na Orihuela e a lebre do piornal em Sória, e antes que o façam com o peneireiro e o galo-da-floresta, chegou a vez de reintroduzir o camponês, o montanhês, na montanha.
Na sequência de controlo e de manipulação da informação genética que fluía nos genes, destes às espécies e, por último, aos ecossistemas, escapara-se-lhe a presença ativa de um animal racional – o camponês, subespécie montanhês, que durante séculos tinha regulado, estimulado, restringido ou potenciado os fluxos entre animais e plantas, entre o solo e o voo, determinando o que se destinava ao cereal e ao bosque permanente de frutas de outono ou ao carvalhal e não só isso. Com as suas misturas e seleções acabou por criar centenas de novas raças de animais e plantas — desde a vaca ratina à castanha valduna— e com as suas manobras acabou por conseguir um equilíbrio entre as partes. Fez tudo isso sem nunca ter ido à universidade e, o que é pior, a universidade nunca foi ter com ele.
Com precisão de cirurgião, com visão de alquimista, os fluxos de energia do sol, da água que move moinhos, da gravidade, do herbívoro, do predador, do animal de tiro e do porco reciclador, entravam e saíam por ciclos principais e secundários, em cadeias de alimentação e realimentação, de duração anual, compassadas com as estações. O camponês era então o diretor de uma grande orquestra sinfónica que manobrava a batuta com que interpretava a partitura do lugar, no que tinha sido, e para o que tinha sido, instruído, e concertava todos os instrumentos da natureza para sobreviver e para propiciar que nenhum deles, nenhuma das suas notas, nenhum dos músicos que zurravam ou mugiam, deixassem de o fazer no ano seguinte.
Mas o camponês partiu, ou expulsaram-no, do monte. E o desconcerto apropriou-se do lugar. Algumas espécies dispararam os seus contingentes, outras perderam-se até desaparecer. Chegaram com soluções desde fora "plantaremos pinhos nas montanhas" disseram uns - "não, não, não, - disseram outros - reintroduziremos veados e logo lhe chamaremos espaço natural".
Depressa o mosaico de terras, socalcos, prados, costas, mato para estrume, malhadas e estábulos de inverno se foi dissipando. A paisagem tornou-se mais basta, mais monótona e o matagal expandiu-se como o colesterol nos obesos. Nada parecia ser a solução. As terras donde os camponeses tinham feito um traje que recobria a natureza, começaram a despir-se. O traje desfazia-se em pedaços puído pela negligência. Entretanto, os cientistas industriais e analíticos inventariavam e cartografavam uma a uma as plantas e os burocratas tramitavam, perante a UNESCO, um novo reconhecimento honorífico para o monte. Por sua parte, os partidos políticos e os seus aparatos de governo, listavam as espécies em boletins oficiais e editavam luxuosos livros de montanhas com modelos de Photoshop. E proibiu-se o corte de carrascos e o olhar de esguelha ao mergulhão.
E ninguém se lembrou que antes de tudo isso, apenas umas décadas atrás, existia ali uma ordem consensual, comunitária e oral, tão-só escrita em prescrições que, ao jeito de norma local e religião laica de obrigatório cumprimento, regulavam as formas, os procedimentos e os usos. As prescrições dos camponeses eram para os montes o que a constituição é para o Estado democrático.
Ninguém se dava conta de que o mundo existia com independência da nossa capacidade para o investigar. Chegaram os guardas, as mil normas distintas, as fiscalizações do meio ambiente e, agora, chegam os turistas a observar os ursos e os jovens ultra atletas a correr por uma terra abandonada à sua sorte. E chegou também o fogo, um antigo criado do camponês que se reconvertera em chefe rufião de um bando de delinquentes.
Mas um dia alguém perguntou porque é que antes não havia incêndios, porque é que antes as espécies mais oportunistas não se tinham desenvolvido, porque é que as mais invasivas não eram tantas, porque é que as paisagens eram mais variadas, porque é que cada lugar tinha um nome, um uso e uma função. E repararam então no camponês, no pagador que assegurava as remunerações, no que fazia país, nomeava os sítios e fazia trajes como paisagens. Repararam tanto no diretor de orquestra extinto como no ruído insuportável que desde as Administrações fazemos agora no cenário cada um tocando o seu apito.
"Já não há camponeses, mas podemos voltar a fazê-los” disse alguém. "Ser camponês, uma nova profissão", disse outro. A universidade, onde germinava hegemónica a ciência da industrialização, deixou de armazenar mapas, informação e estatísticas e, com muito menos dinheiro, começaram a semear sementes de conhecimento. Saíram para as aldeias e perguntaram aos avós, pastores retirados. Descobriram o pensamento sistémico, os princípios agroecológicos aplicados e o empirismo brilhante dos aldeões. Rebuscando nos patrões das velhas prescrições, encontraram soluções para desenhar os novos trajes da paisagem. Reelegeram Carlos III  e os ilustrados de Pablo de Olavide , os institucionistas de Giner de los Ríos e Sierra Pambley .

Assim, a solução, finalmente, foi deixar de remendar e atreverem-se a reintegrar os camponeses nas montanhas órfãs, sem dúvida os seus melhores sócios. Recolonizaram-na com os montanheses, com as suas comunidades e com as suas culturas locais. Regressaram mais jovens, melhor preparados. Com privilégios como os de Leitariegos . Livres de impostos contanto que o monte ficasse livre de incêndios, produzisse os queijos, as energias e as carnes que lhes são próprias e conservassem as formas paisagísticas ajustadas, em acordo com o Governo. O camponês, uma espécie extinta no século XX que foi necessário reproduzir antes de a reintroduzir no XXI -e já que a reproduzimos, a melhoramos— encarregou-se de devolver a música ao monte e a paisagem recobrou a harmonia perdida.
Não me recordo em que ano recomeçou a recolonização camponesa da montanha. Mas o que de facto me lembro, é que foi no mesmo ano em que o Ministério de Fomento, Meio Ambiente e Conservação da Natureza lhe mudaram o nome para o de Fomento do Sentido Comum com os pés na terra e fecharam as Secretarias Técnicas.

Por Jaime Izquierdo
(Traduzido para o português por Francisco Manuel R. Alves)

Notas:
  Publicado em La Nueva Espana, em 5 de março de 2016 (ilustração de Fernando Fueyo)
  O rei Carlos III promoveu a colonização da serra morena, fundando novas povoações. (Nota do Tradutor)
  Pablo de Olavide, ilustrado do séc. XVIII.(N. do T.)
  Os “institucionistas” são os membros da Institución Libre de Enseñanza, o seu fundador foi Giner de los Ríos. E Sierra Pambley um dos seus membros mais destacados que se preocupou com o desenvolvimento das comunidades rurais na povoação de montanha, Villablino (León) onde deram aulas e contribuíram para a formação das populações os irmãos Juan e Ventura Alvarado. (N. do T.)
  Leitariegos é um porto de montanha do Sul ocidente asturiano. Com o fim de manter povoado aquele inóspito lugar e auxiliar as pessoas que circulassem por este porto que unia o ocidente de Astúrias com Castilla, o rei Alfonso XI ortorgou a Leitariegos, em 1326, um privilégio aos seus moradores. Com a condição de ficarem isentos de tributos e de receber uma quantidade anual de farinha, os seus moradores deviam fazer tocar o sino nos dias de nevoeiro e vendaval e procurar dar hospitalidade aos transeuntes e mercadores. Desse modo conseguiu-se que o lugar não se desabitasse. (N. do T.)

in:jornalnordeste.com

Sem comentários: