sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Comboio histórico do Douro já transportou 5.677 turistas este ano

O comboio histórico do Douro já transportou 5.677 passageiros nesta época marcada pelo regresso da locomotiva a vapor e numa altura em que faltam realizar 15 viagens até ao final da campanha, disse hoje fonte da CP.
A CP deu início em junho à campanha 2016 do comboio histórico do Douro, que prevê a realização de 40 viagens até 22 de outubro, com partida da estação de Peso da Régua, distrito de Vila Real, até ao Tua, distrito de Bragança.

Segundo dados fornecidos à agência Lusa pela CP, até à última circulação, realizada na quarta-feira, foram transportámos 5.677 clientes (ida e volta) em 26 circulações, com uma taxa média de ocupação de 85,9%.

Faltam ainda realizar 15 circulações até ao final da época.

Em 2015, foram realizadas 30 circulações e transportados 6.202 clientes, com uma taxa de ocupação média de 81,3%, enquanto, em 2014, foram concretizadas 18 viagens e contabilizados 3.384 clientes.

A CP referiu que os dados mostram que o comboio histórico "tem crescido e tem aumentado a sua capacidade de atrair clientes, uma vez que o aumento das circulações foi acompanhado do aumento da taxa média de ocupação".

A edição deste ano fica marcada pelo regresso da locomotiva a vapor que foi alvo de uma "intervenção inovadora" para substituir o carvão pelo diesel.

Outra das novidades é a possibilidade de os passageiros fazerem a viagem na cabina, junto do maquinista e do fogueiro, com um bilhete especial que tem um custo de 300 euros.

O programa do comboio histórico na linha do Douro arrancou no final da década de 90 com uma composição constituída pela locomotiva a vapor 0186, construída em 1925 pela Henschel & Son, e por cinco carruagens antigas em madeira.

Em 2013, a CP procedeu a um conjunto de alterações à locomotiva a vapor com o objetivo de tornar o "comboio mais eficiente do ponto de vista operacional e energético" e mais "sustentável economicamente".

A empresa explicou que a histórica locomotiva foi alvo de uma "inovadora intervenção" de forma a "substituir a anterior logística implicada (escolha do carvão, seu armazenamento, carregamento e alimentação da caldeira), pelo simples abastecimento do diesel".

Com esta alteração, a máquina "fica melhor adaptada às exigências energéticas e ambientais do século XXI", já que os 1500 quilos de carvão que eram consumidos por viagem de ida e volta (Régua-Tua) são substituídos por cerca de 400 litros de gasóleo.

A nova caldeira é uma reprodução da original e permite "um funcionamento da locomotiva com menos fumo, sem cinza e sem riscos de incêndio".

O comboio parte da Régua e segue até ao Tua, com vista para o rio Douro e as vinhas em socalco, em pleno Património Mundial da UNESCO.

Durante todo o trajeto, há animação, assegurada por um grupo de cantares regionais e ainda um brinde com vinho do Porto.

A primeira paragem é efetuada na estação do Pinhão, onde os passageiros podem ver os 25 painéis de azulejo do edifício principal e ainda visitar a loja Wine House.

Agência Lusa

Sem comentários: