quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Nós Transmontanos, Sefarditas e Marranos - DR. GABRIEL RODRIGUES LEDESMA (1684-11-28 – 1741-09-04)

Certamente que o sobrenome veio da terra de origem da família que se fixou em Bragança, fugida da inquisição espanhola. E em Bragança, a história da família Ledesma, acompanha as investidas da inquisição, ao longo dos tempos, desde o século de 500 até meados de 700.
António Ledesma foi um dos membros da família que a inquisição hospedou nas masmorras de Coimbra entre 1658 e 1660, saindo condenado em hábito penitencial perpétuo, diferenciado com insígnias de fogo e 4 anos de degredo para as galés onde serviria sem soldo. Não cumpriu o degredo pois que, com os tormentos que passou e os tratos que lhe deram, ficou “quebrado de uma virilha e aleijado de uma mão”, pelo que o degredo lhe foi comutado para uma terra da Beira, na fronteira de Espanha. (1)
Nascido em Bragança em 1604, António Ledesma foi mercador bem sucedido e cedo rumou para o Porto, fixando residência numa casa que comprou em hasta pública por 95 mil réis, no Postigo das Virtudes. E tinha “loja de baetas e outras mercadorias” aberta à Ponte de S. Domingos. Da leitura do inventário de seus bens depreende-se que, para além dos tecidos, ele tinha negócios muito diversificados que iam do bacalhau da Terra Nova ao tabaco do Brasil, às caixas de confeitos, aos painéis da Flandres. E também tinha dinheiros investidos na Companhia de Comércio do Brasil e muitos outros “ao ganho”, para além da atividade de prestamista, que também usava.
Percurso inverso ao do pai fez o seu filho Gaspar Rodrigues Ledesma que, nascido no Porto, veio casar e morar em Bragança, entregando-se ao fabrico e comércio de sedas. (2)
Casado com Clara Gonçalves, um dos seus filhos nasceu em 28 de Novembro de 1684 e foi batizado com o nome de Gabriel Rodrigues Ledesma. (3) Depois de fazer os estudos preparatórios no colégio dos Jesuítas, em Bragança, matriculou-se na universidade de Coimbra, onde se formou em medicina por 1710. Seria ainda estudante quando casou com Angélica da Silva, filha do rendeiro e também médico Miguel da Silva, de Macedo de Cavaleiros, (4) pois que, quando o prenderam, em 1 de Setembro de 1713, o casal tinha já 3 filhos, de tenra idade: Gaspar, Brites e Perpétua. (5)
Sobre o casamento do Dr. Gabriel diremos que ele era noivo bem pretendido, dizendo-se que Rafael Rodrigues, mercador de Bragança “lhe dava alguns tostões para continuar o estudo” com o objetivo de ele vir a casar com sua filha Isabel. Mais incisivo foi o mercador João António Monteiro, fixado no Porto e depois em Lisboa, que escreveu uma carta para os párocos de Bragança dizendo que Gabriel prometera casar com uma filha sua e por isso lhe abonara um dote de 400 mil réis, pelo que não deviam impedir o seu casamento com Angélica da Silva. Face a uma tal situação, parece que o Dr. Miguel da Silva meteu as mãos na bolsa e avançou com os ditos 400 mil réis “para se desimpedir o casamento e dar-lhe quitação”. Tempos depois, escandalizaram-se os seus sogros por constar que ele “andava divertido com uns amores freiráticos”.
Verdade ou não estas histórias, facto é que o Dr. Gabriel Ledesma era médico de sucesso em Bragança pois logo alcançou os lugares de médico do partido da câmara e do hospital militar.
Sinal da sua aceitação por parte dos militares era o facto de em sua casa, bem como na de seu pai e irmãos, as autoridades não mandarem aboletar soldados, o que causaria muita inveja e rancor entre as outras famílias hebreias, sujeitas ao mesmo vexame. (6)
No ano de 1710, as tropas espanholas invadiram Trás-os-Montes, tomando e saqueando várias localidades. Também a cidade de Bragança foi sitiada, o que causou muito medo entre a população. E a gente mais fidalga da terra procurou então os sítios que pareciam mais seguros para abrigar as mulheres e as crianças do terror inimigo, nomeadamente nos conventos das freiras. Foi o que o Dr. Gabriel também fez, conseguindo meter a mulher e a sogra no convento de Santa Clara, facto que mostra igualmente a aceitação e o prestígio de que gozava na cidade. E também isso criaria inimizades e invejas entre os da sua nação, como foi o caso de Francisco Ferreira que “andando então armando um tablado para a comédia dentro do mesmo mosteiro”, ali quis meter também uma irmã mas não o conseguiu dizendo-lhe o abade capelão do convento “que não era coisa sua”.
Desavenças teve-as também o nosso médico com José Henriques Raba e sua família, quando um seu tio, do lugar de Carragosa, em cuja casa ele se criara, conseguiu tirar aos Raba a cobrança das rendas da comenda daquele lugar.
Deixemos o processo inquisitorial do Dr. Gabriel Ledesma que saiu condenado em penas espirituais no auto de fé de 17 de Maio de 1716. Voltemos com ele a Bragança, à sua casa de habitação na Rua dos Oleiros. A penitência não o terá feito menos “judeu”, antes pelo contrário, pois que, anos depois, era em sua casa que alguns “judeus” de Bragança se reuniam em sinagoga, conforme depoimento prestado em 1740 pelo capitão Francisco Lopes perante o comissário da inquisição Roque de Sousa Pimentel:
- Disse que sabe por ver (…) que em casa do médico Gabriel Rodrigues Ledesma, morador na rua dos Oleiros, desta cidade, se recolhem nas noites principalmente  de sextas-feiras os cristãos-novos da mesma cidade chamados os Ledesmas, os Falhos, os de Lafaia, os Marranos, todos moradores na rua Direita, o qual médico se presume ser o seu rabino, em cuja casa se faz sinagoga… (7)
Já atrás se disse que o filho varão mais velho do Dr. Gabriel se chamou Gaspar Rodrigues Ledesma e que, como o pai, se formou em medicina. Falta acrescentar que, pouco tempo depois de sair médico, em 15 de Agosto de 1735, ele faleceu em Bragança, em casa de seus pais. E a agonia deste homem seria atentamente seguida por bisbilhoteiros e esbirros da inquisição, no sentido de se apurar se os cristãos-novos chamavam o padre para ajudar a bem morrer os seus familiares ou se apenas o chamavam quando já estavam mortos e não podiam ministrar-lhe os últimos sacramentos, ou seja: tratava-se de saber se ele morria como cristão ou como judeu. A propósito, vejam o testemunho do mesmo capitão Francisco Lopes:
- Estando para falecer Gaspar Rodrigues Ledesma, médico, filho de Gabriel Rodrigues Ledesma, chegara António da Silva Damas, bacharel e companheiro que tinha sido do enfermo em Coimbra, cristão-velho desta cidade, e o enfermo lhe pedira encarecidamente que lhe assistisse porque queria salvar-se e o não podia fazer entre aquela canalha e que tendo o enfermo consigo uma imagem de S. Francisco Xavier a quem se encomendava naquela enfermidade, o pai e a mais gente da casa lha tiraram e esconderam; e vendo que o filho enfermo só queria a assistência dos cristãos-velhos e dos padres da Companhia, o desampararam os seus. (8)
Também se dizia que os cristãos-novos, sobretudo os das principais famílias, como era o caso dos Ledesma, procuravam enterrar os seus defuntos na igreja de S. Vicente que tinha sido ampliada e onde era fácil encontrar terra virgem, já que os cristãos-velhos sempre usaram enterrar-se na igreja matriz de suas paróquias. Isso foi obviamente alvo de atenções e, na verdade, tanto o jovem médico como depois o seu pai foram ali enterrados. E no registo de óbito do Dr. Gabriel Ledesma o padre escreveria:
- Recebeu o sacramento da penitência e os mais não. Não fez testamento. Sepultado em S. Vicente onde tem própria sepultura. (9)
Voltando atrás, ao óbito do filho, cumpre dizer que também se bisbilhotava sobre se ele seria amortalhado à maneira dos judeus, o que não aconteceu, conforme explicou Francisco Rodrigues Ferreira, seu parente: 
- Disse que fora para a sepultura vestido de estudante, por levar pouco tempo que se havia formado e os mesmos estudantes seus condiscípulos o vestiram e compuseram e levaram a tumba à sepultura, não obstante ser uso o levarem os irmãos da Misericórdia. (10)

NOTAS
1-ANTT, inq. Coimbra, pº 567, de António Ledesma
2-IDEM, pº 5796, de Gaspar Rodrigues Ledesma.
3-IDEM, pº 8073, de Gabriel Rodrigues Ledesma.
4-IDEM, pº 7784, de Angélica da Silva. Também o pai e a mãe (Brites de Sória) de Angélica foram presos pela inquisição de Coimbra.
5- Gaspar seguiria os caminhos do pai, formando-se em medicina na universidade de Coimbra; Brites e Perpétua casariam com dois advogados de Bragança que foram companheiros do irmão na mesma universidade: Dr. António Mendes Borges e Dr. António Novais da Costa, também eles processados pela inquisição.
6-A “gente de nação” de Bragança acabou por financiar a construção e reparação dos quartéis, para se livrar do encargo de aboletar soldados nas suas casas.
7-ANTT, inq. Coimbra, pº 6269, de António Gabriel Pissarro.
9-IDEM, Registos Paroquiais, Bragança, Óbitos 1729-1741.
10-IDEM, pº 558, de Francisco Rodrigues Ferreira.

Por António Júlio Andrade / Maria Fernanda Guimarães

Sem comentários: