quinta-feira, 30 de junho de 2016

.

1º Encontro de Pauliteiros Mirandeses

Miranda do Douro, prepara-se para receber o 1º Encontro de Pauliteiros Mirandeses “Palos an Riba”, no próximo dia 15 de julho, às 21 horas, no Largo D. João III. O objetivo deste evento passa por reunir o maior número de Pauliteiros do concelho de Miranda do Douro, ao mesmo tempo que se propõe a cada um, dos grupos, dançarem três lhaços, sendo um eles comum "L Mirandun".
A autarquia de Miranda do Douro, pretende gravar este momento e perceber o a uniformização desta dança guerreira, ao mesmo tempo que se pretende clarificar conceitos e desmontar ideias feitas erróneas sobre muitos dois aspetos relacionados com a dança de paulitos.

Por isso, a edilidade quer (re)forçar esta imagem de marca ao mesmo tempo que estimular uma cultura, uma história, uma tradição e uma economia.

A melodia "vou a Miranda ver os pauliteiros" entrou nos ditos da cultura musical e oral popular local, nacional e internacional. Ninguém resiste pelo menos uma vez, seja pelo inusitado dos mancebos vestidos de saia, chapéus adornados, lenços floridos e as camisas rendadas, indumentária estilizada ao longo do tempo, seja pela vivacidade das danças e sonoridades muito próprias.

Perdeu-se nas brumas do tempo a origem desta dança guerreira, que alguns consideram ter vindo da Transilvânia ou que remontam às lutas greco-romanas. Desconhece--se há quantos séculos a dança resiste, apesar de todas as dificuldades.

Os pauliteiros, que já mostraram a sua arte por Espanha, França, Alemanha, Bélgica, Suíça, Itália , Angola, Canadá e Estados Unidos, são agora mistos, com rapazes de várias aldeias e até mesmo com grupo de Pauliteiras.

Por isso, chamamos a atenção para esta causa, criar uma onda de “força”, que caracteriza esta dança, para uns guerreira e para outros sagrada, e ao mesmo tempo romântica, uma vez que outrora esta dança “mística” era executada por rapazes solteiros nas festas das colheitas e os, agora, tradicionais lenços, eram oferecidos pelas jovens namoradas aos moços dançadores como prova de “amor”.

Vamos, portanto, fortalecer, essa ideia e apelar à criatividade dos grupos e da população ao mesmo tempo que fomentamos uma tradição mirandesa, e direcionamos o concelho para o turismo, proporcionando uma imagem de Miranda do Douro culturalmente atrativa e apaixonante.

António Pereira
in:diariodetrasosmontes.com

Projecto na comunidade estimula denúncia de violência contra idosos em Bragança

Através do projecto foram sinalizados 33 casos de maus tratos a idosos, segundo um relatório preliminar realizado em Junho.
Um novo projecto em curso há alguns meses no distrito de Bragança está a estimular as comunidades a denunciarem casos de violência contra idosos, em que predominam a negligência e violência económica, foi esta quinta-feira divulgado.

O projecto está no terreno desde Outubro e, embora ainda falte a contabilidade final, um relatório preliminar feito em Junho concluiu que já foram sinalizados "33 casos" de maus tractos a idosos, apenas no âmbito do programa BPI Seniores.

Os números foram revelados à Lusa por Teresa Fernandes, técnica do Núcleo de Apoio à Vítima instalado na Associação de Socorros Mútuos de Bragança (ASMAB), que foi contemplado com 35 mil euros para ir junto das comunidades levar informação e sensibilizar para ajudarem a combater esta problemática.

Uma sessão de esclarecimento intitulada "Direito a ser Idosos" decorreu esta quinta-feira em Bragança, destinada a entidades que prestam apoio domiciliário ou de centro de dia, para estarem a alerta aos sinais.

Teresa Fernandes explicou que esta sessão foi diferente pela dimensão de Bragança, mas nos restantes concelhos a destinatária foi toda a comunidade, desde o pároco ao presidente da junta e os próprios idosos.

Dos 12 concelhos do distrito de Bragança falta apenas terminar justamente Bragança e Vinhais.

O núcleo apoia todas as vítimas de violência, mas decidiu avançar com este projecto específico pelas características desta região em que "a Terceira Idade tem muitos mitos e preconceitos associados à família, num território essencialmente rural, muito envelhecido".

"Os nossos idosos são pessoas muitas vezes indiferenciadas, não têm formação, nem informação, vivem com poucos rendimentos nas suas aldeias e sabemos que muitas vezes as famílias não cuidam, abandonam, negligenciam. Em situações mais graves, inclusivamente maltratam", observou a técnica.

O propósito deste projecto é "informar e sensibilizar a comunidade, porque se trata de um crime público", além de dar conhecimento às vítimas de "que têm direitos e apoios e que estas dinâmicas violentas não são aceitáveis", contribuindo assim para "mudar mentalidades, tornar a sociedade com menos aceitação da violência".

Teresa Fernandes assegurou que têm tido "muitas sinalizações na sequência destas acções", com um relatório preliminar de Junho a dar conta de "33 casos" em que "as formas mais comuns de maus tractos aos idosos são a negligência e violência económica, praticadas essencialmente pelos filhos".

"Estamos a falar da não prestação de cuidados básicos de vida, a higiene, a alimentação, o conforto, a afectividade, que promove a solidão, a angústia relativamente à separação da família e de violência económica, muitas vezes através da retirada dos bens e do património do idosos, doações, testamentos, a ficarem com a reforma de uma forma coerciva", concretizou.

Pontualmente, "vai havendo algumas situações de violência física e psicológica".

As denúncias são feitas maioritariamente por vizinhos e familiares. "Muito raramente são os próprios idosos a fazê-lo por uma questão de vergonha, de medo, de desinformação também".

Os casos sinalizados no âmbito deste projecto e outros têm chegado a tribunal e, embora seja difícil a prova para condenação, "o que resulta é a suspensão provisória do processo, com injunções com obrigatoriedade do afastamento da residência, proibição de contacto, trabalho comunitário, multas, frequência em programas de tratamento", segundo a técnica.

A tendência continua a ser de aumento das denúncias, porém as estatísticas revelam também que as reincidências estão a diminuir, o que, para Teresa Fernandes, significa que a actuação tem tido resultados.

Agência Lusa

BRAGANÇA - Eventos

Soutos de Vinhais têm este ano menos casos de vespa da galha mas autarca mantêm-se preocupado com a identificação do problema

O Município de Vinhais e a Associação Arborea detectaram este ano 220 castanheiros infectados com a vespa da galha, no âmbito do programa estratégico de combate a esta praga desenvolvido pelo segundo ano pelas duas entidades. Trata-se de uma diminuição em relação ao ano anterior, quando no plano de vistoria aos novos soutos tinham sido identificadas 600 árvores afectadas com este problema.
De acordo com o autarca de Vinhais, Américo Pereira, a acção inspectiva do ano passado impediu a propagação da praga. “Voltamos a repetir a mesma operação, que, este ano, abrangeu uma visita a todos os soutos que foram inspeccionados no ano passado, mas também aqueles que foram plantados este ano. O resultado mostrou que, nos soutos que tinham sido inspeccionados no ano passado, a presença da vespa foi praticamente nula, o que demonstra que as medidas implementadas resultaram. No entanto, foram detectados alguns casos nos soutos plantados este ano. È caso para preocupação. Vamos continuar a aplicar este plano para o ano e continuar a desenvolver esforços”, revelou o autarca.

Neste momento a vespa da galha do castanheiro é a praga que mais preocupa os produtores de castanha de Vinhais, sendo que ataca principalmente os soutos mais novos, provenientes de árvores importadas e cuja validade sanitária a autarquia considera duvidosa.

Por esse motivo, o presidente do município lamenta o facto de o ministério da agricultura e outras entidades não realizarem um controlo mais apertado das árvores provenientes do estrangeiro e que se destinam a ser plantadas em Portugal, apelando à direcção Regional de Agricultura e às demais entidades envolvidas, que no próximo ano “levem esta realidade” mais a sério e que trabalhem na prevenção.

Para já a autarquia de Vinhais mantém a aposta na fiscalização, realizada nos meses de Abril e Maio, altura em que se verificam as posturas da vespa.Um plano que será repetido no próximo ano. 

Olga Telo Cordeiro
Escrito por Brigantia

Sobreposição de campeonatos de chegas de touros em Bragança e Vinhais "pode prejudicar criadores e amantes da modalidade"

A coincidência de campeonatos de chegas de touros em Vinhais e Bragança pode prejudicar os participantes e o público interessado em assistir a este tipo de provas. Esta é a opinião de Carlos Silva, responsável da empresa municipal de Vinhais Proruris, que há oito anos organiza o Campeonato Nacional de Chegas de Touros de Raça Mirandesa.
O sorteio da edição deste ano decorreu na passada terça-feira e o campeonato começa a 10 de Julho e prolonga-se até 14 de Agosto, com provas todos os domingos às 18 horas.

Pela primeira vez, a iniciativa coincide com outro campeonato que envolve touros de raça mirandesa. Trata-se do Campeonato Chega de Touros Mirandeses e Cruzados, que começou em Maio, em Bragança e tem ainda agendadas provas nos dias 3 e 10 de Julho e 7 e 21 de Agosto.

Carlos Silva salienta que o campeonato de Vinhais é o único que promove exclusivamente a raça mirandesa, criticando, no entanto, a sobreposição de campeonatos. “O único campeonato nacional de touros de raça mirandesa é o de Vinhais e já existe há oito anos. Não fomos consultados para nada e, certamente, poderíamos ter dado uma opinião e as coisas podiam ser diferentes.  Com esta situação eu julgo que quem está a perder são os criadores e os amantes desta tradição que poderão ter que optar por um lado ou por outro”, considera o responsável.

Carlos Silva vai mais longe ao considerar que Bragança copiou o evento de Vinhais mas garante que o campeonato nacional está em boa forma e até tem mais um animal em competição do que no ano passado. “Normalmente, uma cópia é sempre muito pior do que o original e, infelizmente, é a isso que estamos a assistir. Tudo o que foi feito em Vinhais, foi quase tudo plagiado, e é pena. Mas o futuro dirá quem está a fazer as coisas melhor ou pior. A prova de que o nosso campeonato está mais que vivo é o facto de termos aumentado um animal, em relação ao ano anterior”, reforçou.

Carlos Silva destaca ainda o contributo que o Campeonato Nacional tem dado para a promoção da raça mirandesa, tendo-se assistido a um crescimento do número de efectivos, que ainda não é suficiente para a procura. “Temos assistido a um crescimento da procura e da valorização desta carne. Temos também verificado que a procura é muito superior à oferta. Há, neste momento, mercado para mais 500 a 600 fêmeas reprodutoras no solar. Só faz sentido apoiar esta raça, não faz sentido apoiar qualquer raça cruzada porque isso seria empurrar o agricultor para dificuldades extremas”, acrescentou o responsável da Proruris.

Em Bragança, o Campeonato de Chegas de Touros é organizado pelos Serviços Sociais do Pessoal da Câmara Municipal. Contactado, o presidente do Município, Hernâni Dias, não quis comentar esta sobreposição de campeonatos que envolvem animais de raça mirandesa.

Já os criadores que participam no Campeonato Nacional, não faltaram ao sorteio. E há alguns que mantêm os animais só para participar nas chegas. “Concorremos porque gostamos. Quando os animais vão para o matadouro são mal pagos, a um preço muito baixo e, às vezes, em vida, custam um balúrdio. Há bois a serem vendidos a 3, 4 ou 5 mil euros”, contou Manuel Carvalho de Mofreita, Vinhais.

“Se o boi for campeão pode-se vender por muito dinheiro”, referiu Leonel Alves, de Passos de Lomba, no concelho de Vinhais.  

Já Manuel Afonso, de Carragosa, Bragança, acrescentou que participa “mais pelo vicio do que pelo dinheiro que se ganha”.

Este ano, o Campeonato Nacional de Chegas de Touros de Raça mirandesa conta com a participação de 28 animais, 15 deles com mais de 5 anos. 

Sara Geraldes
Escrito por Brigantia

Macedo homenageia filhos da terra no dia da cidade

Ontem no dia da cidade, Macedo de Cavaleiros homenageou cinco personalidades, do concelho.
Na cerimónia, em dia de feriado municipal, foram entregues distinções à chef Justa Nobre, na categoria de Empreendedorismo e Actividades Económicas, a António Cravo, que criou o museu rural de Salselas, na área de Desporto, Cultura e Artes e a Luís Baptista, chefe regional do Corpo Nacional de Escutas (CNE) de Bragança, na categoria Ação Social e Associativismo. Luís Miranda Pereira, ex-director geral de reinserção social e dos serviços prisionais e actual proprietário de uma unidade hoteleira em Macedo, recebeu a distinção de Vida de dedicação a diversas causas relevantes para a comunidade.

Foi ainda distinguido o Serviço de Ortopedia de Macedo de Cavaleiros, representado pelo director Afonso Ruano, na área da Actividade Académica e Cientifica.

O presidente da assembleia Municipal, António Afonso, referiu que tanto como os que sempre viveram no concelho, como os que fizeram carreira foram, elevam o nome de Macedo.

“Há pessoas que sempre estiveram no nosso território e outros que aqui nasceram e que tiveram de aplicar os seus conhecimentos noutras zonas, mas também afirmaram que sempre se lembram da sua terra e falam nela. As quatro personalidades e um serviço que distinguimos não fizeram nada a pensar numa recompensa e nós é que enquanto responsáveis políticos reconhecemos os trabalhos meritórios de todos eles”, refere o responsável do órgão que aprovou a atribuição de medalhas.

A chef Justa Nobre, natural de Vale de Prados, mostrou-se emocionada com o facto de ter sido distinguida no seu concelho e no discurso recordou o papel da mãe e das avós na sua carreira.

“Senti o orgulho em ser macedense. Sou de Vale de Prados, senti muito orgulho nas minhas origens, nas minhas avós, na minha mãe. E mesmo no meu restaurante nunca vou deixar de mostrar que sou transmontana”, refere.


O feriado de Macedo de Cavaleiros a ficar marcado com distinções a personalidades do concelho. 

Olga Telo Cordeiro
Escrito por Brigantia

Ignite IAstro

Chama-se Ignite IAstro e estará em Bragança no dia 9 de julho. Oito cientistas do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) vão falar sobre a sua investigação no Teatro Municipal, com início às 17:00, no que será o sexto evento de uma digressão inédita em Portugal.
Potenciar o envolvimento nacional nos grandes organismos internacionais na área do Espaço, como a Agência Espacial Europeia (ESA) e o Observatório Europeu do Sul (ESO), e contribuir para o desenvolvimento industrial, competitividade e avanço tecnológico das empresas nacionais, são alguns dos objetivos deste esforço de divulgação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

O formato compacto dos eventos Ignite IAstro permite expor, em menos de uma hora, cerca de uma dezena de temas atuais da investigação em Ciências do Espaço feita em Portugal. Vamos ouvir falar, por exemplo, sobre a exploração do Sistema Solar e as próximas gerações de infraestruturas e instrumentos de observação.

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é a maior unidade de investigação na área das Ciências do Espaço em Portugal. Colabora com a indústria em consórcios nacionais e internacionais, atua como facilitador do papel da indústria portuguesa em projetos nacionais e internacionais, e contrata serviços e produtos nas áreas da mecânica, eletrónica, software e hardware.

Saiba mais sobre a Digressão Ignite IAstro AQUI.

Mais touros em confronto nas chegas de Vinhais

O Campeonato Nacional de Chegas de Touros de Raça Mirandesa, que vai já na oitava edição, tem este ano mais touros do que no ano passado e novos criadores, mesmo se em Bragança começou este ano um campeonato paralelo, que ameaçou reduzir o número de participantes.
A rivalidade entre os dois campeonatos esteve sempre latente no sorteio das chegas do “único campeonato nacional de raça mirandesa homologado pela Direção de Veterinária”, como fez questão de frisar Carlos Silva, da organização.
O campeonato nacional, que começa no próximo dia 10 de julho, na praça de touros de Vinhais, e ali se prolonga até dia 14 de agosto, junta este ano 28 animais, divididos por duas categorias, para animais com mais e menos de cinco anos.
Há dois novos produtores participantes e um regresso.
“O nosso principal objetivo é promover a raça mirandesa. Este campeonato é assente numa tradição muito antiga na região. Na altura, também só participavam touros de raça mirandesa”, frisou Carlos Silva. Esse é o ponto de discórdia entre este campeonato e o que se realiza, este ano, em Bragança e que admite animais de raças cruzadas. “Temos os olhos postos no futuro e na rentabilidade da agricultura, que passa pela raça mirandesa. O setor da carne passa uma crise muito grande. Há dificuldades de escoamento da carne de raças diferenciadas, que tem sofrido com a queda de preços. De fora chega carne a preços inferiores aos custos dos produtores do Nordeste Transmontano”, sublinha, destacando, contudo, uma situação diferente com a carne de raça mirandesa, que tem sido valorizada. “Não há um produtor com um animal à espera para sair da exploração. A procura é muito superior à oferta”, destaca, garantindo que há, ainda, “mercado para mais 500 ou 600 fêmeas reprodutoras”. Por isso, Carlos Silva entende que “não faz sentido nenhum apoiar raças cruzadas, pois isso só empurra o agricultor para uma situação difícil”, nota, para além de as raças autóctones serem um dos fatores valorizados em futuras candidaturas a fundos europeus. “Não tenho nada contra outras raças mas não devemos incentivar aquilo que não tem futuro”, sublinha Carlos Silva.
Com o aparecimento de um novo campeonato, as regras em Vinhais foram limadas, excluindo produtores que se tenham inscrito noutros campeonatos que não este.
Esse ficam excluídos durante dois anos.
Os prémios mantêm-se tal como nos anos anteriores. O vencedor dos touros mais velhos ganha 1000 euros, 750 o segundo. A cada chega da fase final há um prémio de 350 euros para o vencedor, 250 na primeira fase.
Na categoria dos touros mais novos, os prémios são ligeiramente inferiores. São 900 euros
para o vencedor e 540 euros para o segundo, havendo, nos dois casos, prémios monetários até ao quarto lugar.
Este ano, os produtores oriundos de um raio superior a 40 quilómetros recebem ainda 50 euros por animal para ajudar ao transporte.
Para o primeiro dia, 10 de julho, estão já previstos grandes chegas, fruto do emparelhamento que saiu do sorteio, realizado terça-feira de manhã.

AGR
in:mdb.pt

Memórias Orais: Maria Garcia

Nasceu como um dia lhe chamaram, “no termo de Freixo”, em Ligares. Não sabe ler, faz-lhe muita falta, confessa, mas ainda assim trabalhou em França, na Alemanha e nos Estados Unidos da América. Já não se recorda em que Estado.
Os “falares” dos países por onde andou, nunca foram impedimento para que Maria Garcia se fizesse à vida, ela e o marido. 
Ao todo eram seis irmãos, nunca passaram fome, diz, mas os pais tiveram que trabalhar muito. “Tínhamos só a fartura de pão e de batatas e dessas coisinhas das hortas o meu pai fazia por isso, tínhamos hortinhas, tínhamos tudo, frutas, disso tínhamos tudo graças a Deus mas as grandezas não era muitas”.
Com 15 anos já trabalhava à jeira e ia ao rebusco do minério no Candedo, três horas ou mais de caminho, “foi duro, sabe Deus, mas hoje Graças a Deus estamos bem”. A emigração trouxe-lhe novo fôlego. Foi na América que governou a vida durante mais de vinte anos e deixou lá três filhos que vêm para a festa em Ligares, no verão. 
É aqui que encontram raízes e se sentem perto da sua história e onde Maria, dos seus 81 anos, conta aos netos as histórias da terra que a viu partir muitas vezes e do lugar onde sabia que um dia iria regressar.

(abril de 2015)
Texto: Joana Vargas


Freixo de Espada à Cinta - MEMÓRIAS ORAIS - Jaime Guerra



Freixo de Espada à Cinta - Manuelino



Freixo de Espada à Cinta - Calçada de ALPAJARES


Freixo de Espada à Cinta - Calçada de Alpajares II


Associação de Criadores de Raça Mirandesa aposta numa exploração pecuária com 150 animais

A Associação de Criadores de Bovinos de Raça Mirandesa anunciou que tem em fase avançada, a criação de uma exploração agropecuária "sustentável", que pode chegar aos 150 animais daquela raça autóctone, com Denominação de Origem Protegida (DOP).
“O investimento será avultado, e passa pela constituição de uma nova exploração pecuária, com um efetivo que poderá ir até as 150 fêmeas reprodutoras”, avançou o presidente da ACRBM, Arlindo Formariz, à margem do concurso concelhio de gado bovino de raça mirandesa que decorreu em Miranda do Douro.
A ideia passa por tornar “autossustentável” a ACRBM, para que a organização pecuária “não esteja tão dependente de subsídios e acabar com os receios de faltas de fundos para honrar os compromissos”.
“O objetivo do projeto é o de criar uma fonte de rendimento para a Associação para fazer face aos encargos mensais com pessoal e outras despesas”, frisou.

Francisco Pinto
in:mdb.pt

Acidentes com tratores já mataram 42 pessoas este ano

O Secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, e o Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Amândio Torres, reuniram-se esta quarta-feira com a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), a Direção Geral da Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR), o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT, I.P.)  e a Guarda Nacional Republicana (GNR), com o objetivo de analisar a problemática da sinistralidade com tratores e máquinas agrícolas. 
Desde o dia 1 de janeiro até ontem morreram 42 pessoas na sequência de acidentes com veículos agrícolas. 
No distrito de Bragança este ano já perderam a vida quatro agricultores enquanto manuseavam estas máquinas.

Glória Lopes
in:mdb.pt

Bragança // Resíduos do Nordeste a gerir a água na região não é consensual

A proposta de alteração estatutária de ações da empresa Resíduos do Nordeste (RN) foi o tema que mais debate originou na última sessão da Assembleia Municipal de Bragança, realizada na passada sexta-feira, e que mereceu os votos contra ou de abstenção dos partidos da oposição.
Em causa está um memorando de entendimento aprovado no âmbito da Comunidade Intermunicipal Terras de Trás-os-Montes (CIM) no sentido de ser criada uma empresa para fazer a gestão da água dos nove municípios, uma vez que a Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro, que geria os sistemas, está numa situação de indefinição relativamente ao seu futuro. "Pode ser aproveitada a RN, que já existe e que já tem conhecimento e recursos humanos. 
Se esta vier a ser a solução adoptada pelos municípios, a RN pode gerir a água em baixa e em alta", referiu Hernâni Dias, presidente da câmara de Bragança.

Glória Lopes
in:mdb.pt

Misericórdia de Bragança participou no Encontro Nacional das Misericórdias

Uma delegação da Santa Casa da Misericórdia de Bragança esteve, este sábado, dia 25 de junho, em Fátima, no Encontro Nacional das Misericórdias. Um grupo composto por colaboradores e utentes que quiseram marcar presença neste evento único que decorreu no âmbito do Ano Santo da Misericórdia.
Durante a eucaristia, na Basílica da Santíssima Trindade, o Arcebispo Primaz D. Jorge Ferreira da Costa Ortiga apelou a todos os presentes para praticarem a Misericórdia, “porque para ser Misericordioso não basta ser, mas sim fazer”. 

Perante milhares de representantes das 398 Misericórdias no país, o arcebispo destacou o papel essencial destas instituições na ajuda à comunidade e na sua função de “servir o próximo, o mais necessitado”. 

No final, o grupo ofereceu uma lembrança da Misericórdia de Bragança ao Santuário de Fátima feito com muita dedicação pela utente Ester Rodrigues. Um momento muito especial e emotivo para toda a delegação. 

O Jubileu da Misericórdia foi assinalado oficialmente a 8 de Dezembro de 2015, dia da Imaculada Conceição, com a abertura da Porta Santa da Basílica de São Pedro, pelo Papa Francisco. 

in:noticiasdonordeste.pt

Diários São Pedro 2016 | Dia 28 de junho (4º dia)


quarta-feira, 29 de junho de 2016

Primeiro Festival de Street Art de Bragança envolve a comunidade local

A primeira edição do Festival de Street Art “Bragança Criativa”, promovida pelo Município, decorrerá de 1 a 4 de julho de 2016, com o apoio do Agrupamento de Escolas Emídio Garcia, da Escola Superior de Educação de Bragança e da União das Freguesias de Sé, Santa Maria e Meixedo.
A iniciativa envolverá três artistas locais, cinco artistas nacionais, seis utentes (uma jovem e cinco seniores) de IPSS de Bragança (Santa Casa da Misericórdia de Bragança, APADI, União dos Centros de Bragança, Obra Social Padre Miguel e ASCUDT), com intervenções artísticas em 10 espaços da cidade.

Segundo fonte da organização "os principais objetivos deste festival são transformar Bragança numa referência nacional, na reabilitação urbana, através do conceito de Street Art,  estimular a participação dos artistas locais, melhorar a imagem da cidade e requalificar o espaço público". 

Este festival está integrado no evento “Bragança Jovem, festa da juventude 2016”, que incluirá, também, nos dias 2 e 3 de julho, o Water Slide Festival, com o maior escorrega de água da Europa (500 metros), na Avenida das Forças Armadas, uma festa com Dj´s locais na noite de 2 de julho, na Praça Camões, e conferências, nos dias 5 e 6 de julho, promovidas pela JS e JSD, respetivamente.
in:noticiasdonordeste.pt

O mais antigo certame da região de Trás-os-Montes realizou-se em Macedo de Cavaleiros com um cartaz cultural e musical de excelência


PROMO - L BURRO I L GUEITIERO

L Burro i L Gueiteiro – Festival Itinerante de Cultura Tradicional 
provavelmente o melhor festival do mundo! (vejam o vídeo)
De 27 a 31 de Julho nas Terras de Miranda do Douro
Aldeias de Genísio, Especiosa e São Martinho de Angueira

Mais informações AQUI


Festival das Migas e do Peixe do Rio - TORRE DE MONCORVO


Foi apresentado o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano para Mirandela que será desenvolvido de 2016 a 2020



A Semana do desporto em Bragança contou com várias atividades que promovem hábitos de vida saudáveis sem esquecer o convívio



Parque Aventura 2016 - MIRANDELA

AVISO - Defesa da Floresta contra Incêndios

                      PERÍODO CRÍTICO 2016
Sr. Munícipe, a Câmara de Miranda do Douro, informa que de acordo com a Portaria n.º 167/2016 de 15 de junho, o período crítico no ano de 2016, no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios, vigora de 1 de julho até 30 de setembro. 
Neste período vigoram medidas especiais de prevenção contra incêndios florestais, por isso, independentemente das condições meteorológicas, nos espaços rurais e florestais é totalmente proibido :
- Fumar ou fazer lume de qualquer tipo no interior das áreas florestais ou nas vias que as delimitam ou atravessem;
- Realizar fogueiras para recreio ou lazer e para confeção de alimentos, exceto quando realizadas em locais expressamente previstos para o efeito e identificados como tal;
- Lançar foguetes ou balões de mecha acesa (extensível a todo o território nacional), sendo que a utilização de fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos está sujeita a autorização prévia da Câmara Municipal; 
- Queimar matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração agrícola/florestal (queimas); 
- Fazer queimadas para renovação de pastagens e eliminação de restolho e ainda, para eliminar sobrantes de exploração cortados, mas não amontoados;
Relativamente à proteção de pessoas e bens, não esqueça que é necessária a criação de uma faixa de terreno limpa (com redução de matos e arvoredo) num raio mínimo de 50 metros à volta de habitações, estaleiros, armazéns, oficinas ou outras edificações em espaço rural ou florestal.

Colabore na defesa da floresta contra incêndios e em caso de dúvidas contacte o Gabinete Técnico Florestal da Câmara Municipal de Miranda do Douro através do 273 430 020 ou a Corporação de Bombeiros da sua área de residência.

Inscrições para o XXX Festival da Canção de Miranda do Douro

A Câmara Municipal de Miranda do Douro, realiza no próximo dia 16 de julho, a partir das 21 horas, no Largo D. João III, o Festibal de la Cançon/ Festival da Canção.
Esta iniciativa tem como objetivos estimular a produção musical e incentivar o aparecimento de novos compositores, autores e intérpretes, dando especial atenção às criações em Língua Mirandesa.

Sabemos que desde sempre a música fez parte da história do povo mirandês, por isso contamos consigo para contribuir, cada vez mais, para a divulgação das grandes potencialidades do Concelho de Miranda do Douro.

As inscrições podem ser entregues até ao próximo dia 12 de Julho, nas instalações da autarquia mirandesa.

Prémios aliciantes

         Prémio para a melhor Letra Mirandesa ----- 200,00 €

         Prémio de interpretação Vocal ---------------- 150,00€

         Prémio para a melhor música ------------------ 150,00€

         1º Classificado -------------------------------------- 500,00€

         2º Classificado -------------------------------------- 400,00€

         3º Classificado -------------------------------------- 300,00€

         4º Classificado ---- ----------------------------------200,00€

         5º Classificado ---- ----------------------------------150,00€

         6º Classificado ---- ----------------------------------150,00€

         7ºClassificado ---- -----------------------------------100,00€

         8º Classificado ---- ------------------------------------75,00€

         9º Classificado -----------------------------------------75,00€

         10º Classificado -------------------------------------- 75,00€

…no tempo das profecias

As cidades são como as pessoas, entardecem e silenciam-se, quando o sol regressa do campo para sua casa amornecido pelo convívio íntimo com as searas que se deitam no colo do vento que passa só por passar…
E as cidades têm ruas e casas, avenidas, becos, gente anónima, gente feliz, gente que morre de tristeza, gente com pão e gente que conta os cêntimos na imensidão dos meses que não têm fim.
As cidades têm loucos que sorriem e bêbados que se embebedam para ao entardecer poderem dizer todas as verdades que nenhum santo disse e gritarem aos transeuntes que acordem e se convertam… o fim do mundo está perto… depois bebem mais e mais no conchego da taberna… que nostalgicamente resiste entre a sueca, o chincalhão e dois copos dos últimos clientes.
As cidades têm gente muito séria que passa pela vida, sem pecado original… vão à missa das seis… ao mês de Maria… à reunião da comissão política do partido… e são gente de bem… e tão felizes... 
…depois morrem… e talvez sorriam… pela primeiríssima vez… talvez sorriam da pasmaceira da vida da gente séria…
As cidades a nordeste envelhecem… e Deus perpassa por entre o silêncio… e um dia as casas… as ruas… os becos… as avenidas serão somente ruas, casas e becos e avenidas… e não haverá nem gente feliz, nem gente triste, nem ricos, nem pobres, nem gente séria… somente a cidade e o silêncio. 
…as silvas e os cardos crescerão por entre as casas, as ruas, as avenidas e os becos… os lobos e as raposas descerão à cidade… e nesse tempo os Senhores, tão sérios, de Lisboa acordarão… assustados…com a evidência das ideias luminosas… é preciso salvar o interior… é preciso combater a desertificação… ´é preciso…
… nesse tempo… talvez o louco e o bêbado… na sua lucidez, ainda estejam por cá para contar a história.



Fernando Calado

Mirandela aposta em cartaz arrojado para as festas da Senhora do Amparo

Já é conhecido o cartaz da festa em honra da Nossa Senhora do Amparo, em Mirandela. A revelação foi feita ontem no santuário, no decorrer da verbena de S. Pedro. Boss AC, Atoa, HMB, Mundo Segundo, Diogo Piçarra, Quim Barreiros e Los Muchachos são alguns dos nomes de destaque na área da música que vão marcar presença naquela que é a grande festa da cidade de Mirandela. 
O vasto cartaz inclui ainda espectáculos de stand up com nomes como Rui Xará e João Seabra, a tradicional exibição de Kickboxing e muitas outras actuações. A maior aposta deste ano foi na área dos espectáculos, “não descurando a já tradicional procissão, a noite dos bombos e o espectáculo de fogo de artifício”, explicou Sílvio Santos, presidente da confraria da nossa senhora do amparo.

A confraria contou com o apoio do município de Mirandela para que o cartaz fosse reforçado e pudesse ir ao encontro a vários tipos de público. António Branco salienta “a importância de captar mais públicos para esta festa”.

A festa em honra da Nossa Senhora do Amparo irá ter início a 16 de Julho, sendo que oficialmente o cartaz vai desde o dia 22 de Julho até dia 7 de Agosto.  

Escrito por Terra Quente (CIR)

Município de Bragança quer abrir três novos museus na cidade

O Município de Bragança está, nesta altura, a preparar os projectos de, pelo menos, três museus. Além do Museu da Língua, de que muito se tem falado e que deverá ser instalado nos antigos silos da EPAC, está também a ser preparado o projecto do Museu Ferroviário, tal como a Brigantia avançou na semana passada e já na fase final está o Centro de Interpretação da Cultura Sefardita do Nordeste Transmontano, que deverá ser inaugurado no mês de Setembro.
Este espaço que pretende mostrar a influência da cultura judaica no distrito de Bragança, situa-se na rua Abílio Beça, ao lado do Centro de Arte Contemporânea, Graça Morais.

Para Susana Milão, coordenadora das equipas envolvidas no projecto expositivo, a unidade é inovadora no sentido em que estabelece uma relação directa entre o grupo de investigadores e uma perspectiva a partir do presente, com o contributo de artistas contemporâneos. “Não é um centro de interpretação que se baseia em recolhas de artefactos ou de património, é uma tradução da investigação que encontra ali uma ideia de espaço”.

Para a responsável, o terceiro piso do edifício acaba por ser o “mais emotivo do museu”. “O momento mais emotivo e apoteótico, que corresponde ao período da inquisição, onde existe não só o contributo da investigação, mas também de artistas e trazemos para o presente, para a contemporaneidade, uma visão da leitura histórica”, referiu ainda a coordenadora.

Já no primeiro piso do edifício haverá a maior concentração de informação, que segue duas narrativas, uma de contextualização histórica do processo em Portugal e outra mais particular, da região. Além deste espaço, haverá um outro edifício, na mesma rua que vai albergar um centro de documentação e um memorial sobre o tema.

 Quanto ao Museu Ferroviário, deverá ser instalado nos armazéns que serviram de abrigo às carruagens da estação terminal da Linha do Tua, que estão encerrados há mais de uma década.

 A requalificação está a ser preparada em conjunto com a Fundação Museu Nacional Ferroviário. A gestora de projectos desta fundação, Maria José Teixeira, refere que objectivo é valorizar as potencialidades da colecção disponível e da localização do edifício, sendo para isso necessário ampliar o espaço e dotá-lo das exigências de um museu dos dias de hoje. “Será criada uma estrutura que vai permitir aos visitantes ter, a partir do exterior do edifício, uma antevisão da colecção que estará exposta. Será também feito um investimento em conteúdos multimédia e vamos proceder à limpeza de toda a colecção. A colecção de Bragança mantém-se mas podem ser acrescentadas novas peças que possam enriquecê-la”, revelou a responsável.

Maria José Teixeira acrescenta ainda que a colecção que actualmente está em Bragança “é excelente”e está “em óptimo estado”. O Município de Bragança vai investir cerca de 500 mil euros na requalificação do espaço, de forma a permitir abrir as portas ao público.

Sara Geraldes/Olga Telo Cordeiro
Escrito por Brigantia

IPDJ de Bragança agora tem Gabinete de Saúde e Sexualidade Juvenil

No IPDJ de Bragança existe agora um “Espaço Saúde Jovem” , o Gabinete de Apoio à Sexualidade Juvenil (GSJ). O GSJ é um espaço de atendimento e aconselhamento para jovens, com idades compreendidas entre os 12 e os 25 anos.
Com este espaço, referem os responsáveis, "pretende-se contribuir para o esclarecimento nos vários domínios da sexualidade, para o planeamento familiar e para outras problemáticas e questões da esfera afetiva dos jovens". 

Sigilo, gratuitidade e acessibilidade são garantidos a todos os jovens que procuram estes serviços. Uma equipa multidisciplinar composta por médica, enfermeiras e nutricionista estão ao dispor dos jovens no IPDJ de Bragança todas as Segundas e quintas feiras, das 14h30 às 17h00 (apoio de enfermagem) e quintas feiras, das 14h00 às 15h00 (apoio médico). 

A consulta de Nutrição é às segundas feiras das 14h00 às 17h00, na última semana de cada mês e em todos os casos não é necessário fazer qualquer marcação prévia.

in:noticiasdonordeste.pt

Autarquia prepara época balnear na Albufeira do Azibo

O inverno chuvoso como há muito não se via, obriga a trabalhos redobrados na Albufeira do Azibo. A época balnear abre a 1 de julho e a Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros prepara a o início do período de maior afluência às praias fluviais do concelho.
Os trabalhos incidem na reposição de 12 toneladas de areia, colmatando os estragos causados pelas cheias em parte significativa das praias da Ribeira e da Fraga da Pegada. Foi feita a reparação das vedações e a pintura de sanitários e postos de socorro. 

Em ambas as praias, os passadiços para pessoas de mobilidade reduzida, foram totalmente substituídos, com materiais que emitem menor calor. Na Praia da Ribeira será colocado um painel informativo da radiação ultravioleta e os guarda-sóis e insufláveis estarão colocados numa nova zona.

O período balnear vai estender-se até 15 de setembro, com uma vigilância permanente de 6 nadadores salvadores (2 na praia da Ribeira e 4 na Fraga da Pegada) e 2 socorristas, reforçando as condições de segurança, que, aliadas às comodidades excelentes para os banhistas, fazem da Albufeira do Azibo um dos destinos de verão mais apreciado no norte do país.

Nota de Imprensa - CM Macedo de Cavaleiros

São Pedro 2016 | Direto Informação (27 de junho)


"O que os Patrões querem?" - DEBATE EM MIRANDELA


Dia Mundial das Bibliotecas - BRAGANÇA



terça-feira, 28 de junho de 2016

Academia das Ciências de Lisboa distingue investigação da BRAGANÇANA Paula Gonçalves, da Faculdade de Ciências da U.Porto (FCUP)

A tese de Paula Gonçalves tem como título “Characterization of organic facies and identification of potential source rocks in Jurassic sedimentary sequences of the Lusitanian Basin” e apresenta uma caracterização de rochas geradoras e a avaliação do seu potencial de geração de hidrocarbonetos em algumas das sub-bacias da Bacia Lusitânica.
Para o efeito, a investigadora realizou um estudo comparativo de quatro poços de sondagem, do qual resultou a recolhe e análise de 189 amostras (cuttings) através de técnicas de petrologia orgânica e geoquímicas para determinação do conteúdo e tipo da matéria orgânica dispersa nos sedimentos Meso – Cenozóicos (maioritariamente Jurássicos).

“A Bacia Lusitânica é uma das principais bacias sedimentares portuguesas e apresenta potencial para a geração e acumulação de hidrocarbonetos (rocha mãe, reservatórios e armadilhas petrolíferas). O registo sedimentar da Bacia Lusitânica, depositado entre o Triássico Superior e o fim do Cretácico (sobretudo durante o Jurássico), está associado com a abertura do Atlântico Norte. Do ponto de vista estratigráfico e sedimentológico esta Bacia já foi intensamente estudada, no entanto estudos sobre o tipo, o conteúdo e a maturação da matéria orgânica das suas rochas mãe ainda são escassos”, explica Paula Gonçalves no resumo da tese.

Desenvolvida no âmbito do Doutoramento em Geociências – Especialidade Petrologia e Geoquímica da Faculdade de Ciencias, o trabalho contou com a orientação de Deolinda Flores, Professora Catedrática e investigadora do  Departamento de Geociências, Ambiente e Ordenamento do Território da FCUP.

A primeira edição do Prémio Montepio, no valor de 10 mil euros (a dividir ex aequo por dois investigadores) e financiado pelo mecenato do Montepio Associação Mutualista, destinava-se a teses desenvolvidas nos anos letivos 2012/2013 e 2013/2014, na área das Ciências Exatas e Naturais. O galardão vai ser entregue no dia 7 de julho, no Salão Nobre da ACL.

Sobre Paula Gonçalves

Paula Alexandra Gonçalves nasceu em Bragança a 12 de janeiro de 1975 e é licenciada em Biologia e Geologia (ensino de) pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (1998), mestre em Vulcanologia e Riscos Geológicos pela Universidade dos Açores (2006) e doutorada em Geociências – especialidade de Petrologia e Geoquímica, pela Universidade do Porto e Universidade de Aveiro (2014). Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Petrologia Orgânica, Palinofácies e Geoquímica Orgânica. Atualmente desenvolve investigação no Instituto de Ciências da Terra – Polo da Universidade do Porto.

in:up-pt

Associação dos Arqueólogos preocupada com Parque Arqueológico do Côa

 A Associação dos Arqueólogos Portugueses (AAP) está preocupada com a situação do Parque Arqueológico, Museu e Fundação do Côa, que enfrenta dificuldades financeiras devido ao corte de cinquenta por cento do seu orçamento, nos últimos anos.
A AAP foi recebida em Lisboa, em audiência, pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, na última semana, a quem comunicou as principais preocupações relativas ao setor, de acordo com um comunicado enviado à agência Lusa.

No encontro com o ministro, segundo a direção da AAP, foi sublinhada a "particular preocupação pela situação do Parque Arqueológico, Museu e Fundação do Côa", cujo orçamento tem vindo a ser reduzido desde 2010, para fazer face às despesas.

Na segunda-feira, o ministro da Cultura esteve em Vila Nova de Foz Côa, onde afirmou que o Governo vai manter o modelo de fundação para a gestão do Parque Arqueológico e do Museu e do Côa, embora sujeito a uma "profunda restruturação".

Nas duas últimas audições, em que o atual ministro da Cultura foi questionado pelos deputados da comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, sobre esta matéria, a tutela garantiu que serão preservados os direitos dos trabalhadores e que está ser estudada uma solução para a Fundação Côa com os outros parceiros.

O capital social da Fundação está distribuído pela Direção-Geral do Património Cultural, a Agência Portuguesa do Ambiente e do Turismo Porto e Norte, a Câmara de Vila Nova de Foz Coa e a Associação dos Municípios do Vale do Côa.

A AAP também comunicou ao ministro Luís Filipe Castro Mendes outras preocupações, nomeadamente com "a gestão patrimonial das coleções arqueológicas acumuladas resultantes da intensificação dos trabalhos arqueológicos de campo, nomeadamente os que tiveram e têm lugar no cumprimento da legislação de mitigação dos impactes de grandes obras públicas".

Apresentou ainda um alerta relativamente à "degradação da capacidade operacional do Centro Nacional de Arqueologia Naval e Subaquática".

As várias questões foram enquadradas pelo "plano de salvaguarda do património e de relançamento da atividade arqueológica nacional" que a AAP considera indispensável promover e no qual se incluem ainda "a necessidade absoluta e urgente de proceder a reconfiguração do organismo de consulta do Governo em matéria de políticas arqueológicas, dotando-o da necessária representatividade social".

A entidade recordou que, nos anos 1990, foi retirada a representação da AAP daquele organismo, o que consideram "um grave erro, que deve ser corrigido".

No encontro com o ministro, a direção da entidade, presidida pelo José Morais Arnaud, entregou à tutela a declaração intitulada "O Património Arqueológico nacional: recurso estratégico do futuro".

AG (FYP) // MAG
Lusa/Fim

Praias do Azibo reforçadas com 12 toneladas de areia

A câmara municipal de Macedo de Cavaleiros anunciou a realização de "trabalhos redobrados" na albufeira do Azibo devido aos estragos provocados pela chuva do último inverno, para estar tudo em condições no dia 1 de julho, data em que abre oficialmente a época balnear.
As duas praias, nomeadamente a Fraga da Pegada e a da Ribeira, vão ter um reforço de 12 toneladas de areia "para colmatar os estragos causados pelos cheias em parte significativa das praias", disse fonte da autarquia.
O município adiantou ainda que foi realizada a reparação de vedações e a pintura das estruturas de apoio. Os passadiços para pessoas com mobilidade reduzida foram integralmente substituídos com materiais que emitem menos calor.
Na praia da Ribeira será colocado um painel informativo da radiação ultravioleta e os guarda-sóis e resguardos passam a ocupar uma zona nova.
Durante o período balnear, que decorre até 15 de setembro, haverá "um reforço das condições de segurança", e a vigilância permanente de seis nadadores salvadores, dois na praia da Fraga da Pegada e quatro na Praia da Ribeira, e ainda dois socorristas.

in:mdb.pt

Mirando Miranda – Exposição de pintura de Manuol Bandarra e Bastiana Angélico

De 10 de julho a 31 de agosto a Casa da Cultura de Miranda do Douro, recebe a exposição de pintura “Mirando Miranda” de Manuol Bandarra e Bastiana Angélico.
Estes dois artistas sendineses decidiram realizar uma exposição conjunta e mostrar alguns monumentos e paisagens do concelho mirandês em forma de arte.

Manuol Bandarra é o pseudónimo de Manuel do Nascimento Ferreira (Sendim, Miranda do Douro-1954)

Foi professor de Educação Visual no Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro.

Já organizou várias exposições destacando as últimas: 2012 (Bragança e Sendim), 2013 (Miranda do Douro, Macedo de Cavaleiros e Cogula Trancoso), 2014 (Miranda do Douro) e as suas pinturas integram vários livros escritos em mirandês.

Ganhou duas vezes o segundo prémio do concurso de pintura: “MASCARARTE”, promovido pela Câmara Municipal de Bragança.

Bastiana Angélico (Feliciano nuno Bastiana Angélico), nasce a 27 de Novembro de 1971, em Melun, Seine-et-Marne (França).

Regressa a Sendim em 1981, com a sua família.

Frequenta entre 1989 e 1992, a Escola Secundária Soares dos Reis, os Cursos de Arquitetura e Design.

Obtém Bacharelato, em Educação Básica (1º CEB), na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo no ano de 1996.

Em 1997, obtêm Licenciatura, em Educação Visual e Tecnológica, na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo.

Em 2008 conclui pós-graduação em Ciências da Educação, especializando-se em Administração e Organização Escolar, pela Universidade Católica Portuguesa de Viseu.

Professor de Educação Visual e Tecnológica (2ºCEB), Ensino Básico (1º CEB) de Quadro de Agrupamento de Escolas de Sever do Vouga, desde 2009 até hoje.

Inicia em 2007, projeto de ilustração de marcadores de livros, (técnica mista- aguarela e tinta da china monocromática) retratando paisagens do Parque do Douro Internacional.

Em 2012, inicia um projeto inovador (investigador e ilustrador), "PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL" em marcadores de livros/ postais /obras A4 e A5 (técnica mista- aguarela e bico de pena -  tinta da china policromática), retratando todo o património cultural, etnográfico e arquitetónico, religioso, militar, civil e paisagístico deste nosso país e ilhas.

Em 2015, inicia projeto (investigador e ilustrador), "ROMÂNICO IBÉRICO" em marcadores de livros (técnica mista- aguarela, bico de pena - tinta da china policromática).

Tem obras, que fazem parte do património artístico de instituições públicas, privadas e coleções privadas neste nosso país, Espanha, França, Reino Unido e Brasil.

Primeira exposição individual tinta-da-china sobre materiais diversos, (Optical  Art) em bares da Ribeira do Porto em Setembro de 1990.

Life Rupis 0 0 O projeto de conservação reúne 9 parceiros e é cofinanciado pela União Europeia.


Sambade, a maior freguesia do concelho de Alfândega da Fé, recebeu o I Encontro de Grupos de Cantares no Largo da Igreja


O Pavilhão Multiusos de Vimioso recebeu mais de um milhar de idosos na Festa da Alegria que promove o convívio e o reencontro