quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Inauguração da Exposição " Vida e Obra de António Maria Mourinho"

Para Comemorar o centenário do nascimento de António Maria Mourinho deixamos aqui uma minibiografia escrita por ele em maio de 1995.
                     MINIBIOGRAFIA
António Maria Mourinho nasceu em Sendim, concelho de Miranda do Douro, distrito de Bragança, em 14/02/1917, filho de João da Cruz Mourinho e de Ermelinda Rosa Pires.Fez o curso do Seminário diocesano de Bragança entre 1930 e 1941, com distinção, tendo sido ordenado presbítero, em 29/06/1941.Foi professor de História e Apologética, no meso Seminário Maior e encarregado da paróquia rural de Duas Igrejas, do concelho supra, onde permaneceu, durante 42 anos e meio, trabalhando com toda a dedicação e entusiasmo, nas obras pastorais e culturais.
Desde os 18 anos, atraído por uma necessidade e curiosidade do espirito inquieto se dedicou, nas horas de lazer, à investigação arqueológica, etnográfica, histórica, folclórica e linguística, na zona do Nordeste Transmontano, e em Arquivos históricos de Portugal e Espanha, como bolseiro e equiparado a bolseiro do Estado.
Em 1945, (IV Centenário da Elevação de Miranda do Douro a Cidade) fundou o Grupo Folclórico Mirandês de Duas Igrejas (pauliteiros de Miranda), como escola paroquial de conservação, investigação e divulgação do riquíssimo património folclórico mirandês, que levou a Angola, a toda a Espanha, todo o Portugal, França, Alemanha, Suiça, Áustria, estados Unidos da América, Canadá e Hong-Kong e Macau, (quatro continentes) sempre vitoriado e galardoado, com valiosos prémios, tendo recebido em 1981, em Duas Igrejas, em cerimónia solene, das mãos de uma luzida embaixada alemã, e presentes as mais altas entidades nacionais, o PRÉMIO EUROPEU DE ARTE POPULAR/81 , para as três secções de danças e cantares que este grupo sempre exibiu, com verdade, galhardia e autenticidade.
Tem participado em muitos Congressos, Seminários e Colóquios Científicos, nos dois países peninsulares.
Tem publicada muita e variada colaboração específica das matérias supracitadas em muitos jornais e revistas locais, nacionais e espanholas.
Nos quarenta e três anos de paróquia, restaurou, algumas integralmente, 16 igrejas e capelas, nas onze povoações do seu aro, dotou-as de alfaias e paramentos de que necessitavam com urgência, e de vasos sagrados e outros de grande valor real e artístico, incluindo a Capela de Santo Isidro Lavrador, erigida desde os alicerces, e inaugurada em 21 de novembro de 1961.
Publicou, em várias dezenas de textos, separatas e obras: “Nôssa Alma i Nôssa Tíêrra”, em poesia mirandesa que fixa esta linguagem no meado do século XX; “Guerra do Mirandum”, da qual saiu o Guião para o filme do mesmo nome, de Fernando Matos da Silva; “Fundação do Castelo de Algoso”; “O Abrigo Neolítico da Solhapa”; “Epigrafia Luso-romana, aparecida Entre - Douro e Sabor”; ”Documentos Medievais Portugueses em alguns arquivos de Espanha”; “Grupo Folclórico Mirandês de Duas Igrejas (Pauliteiros de Miranda) – Prémio Europeu de Arte Popular/81”; “Cancioneiro Tradicional e Danças Populares Mirandesas; I e II volumes e prepara o III; “Terra de Miranda – Coisas e factos da Nossa Vida e da Nossa Alma popular”; promoveu, assistiu e apresenta os dois volumes de “Filologia Mirandesa”, do Doutor Leite de Vasconcelos, Fac-símile da 1ª e única edição de 1900, comemorando o Cinquentenário da morte do autor. (1992)
É licenciado em História, pela Universidade do Porto. Fundou, organizou e foi 1º Diretor do Museu da Terra de Miranda, criado por Dec. Lei nº 136/82, de 23 de abril do mesmo ano e é pertença da Secretaria de Estado da Cultura.
Aposentado, em 1987, por motivos de idade, teve de retirar-se à sua vida particular de meditação e estudo e tem quase prontas a publicar as seguintes obras de história e Antropologia Social e de Linguística Mirandesa: “A Missa Mirandesa” e textos Bíblicos traduzidos para a mesma língua; “A Língua Mirandesa – Teoria e Literatura”; “Cartas do Abade Baçal para o Pe. António Maria Mourinho”; “O Ferro Forjado – Artesanato Popular Mirandês”, com mais 4500 unidades. Fez doação da sua biblioteca particular, (que é razoável) à Biblioteca e Arquivo Municipal de Miranda do Douro, que entregará, quando o Município tiver para ela instalações condignas.
Prepara ainda (maio de 1995) um trabalho de História local sobre “A criação da vila fortificada de Miranda do Douro por D. Dinis e a sua função político-militar no Nordeste Português”, apoiado em documentos na maioria inéditos da Torre do Tombo. Depois …. “Deus super Omnia”.

Miranda do Douro, maio de 1995

Fonte: Câmara Municipal de Miranda do Douro

Sem comentários: