sábado, 11 de fevereiro de 2017

Júlia Rodrigues acusa AOTAD de funcionar de forma ilegal

A AOTAD, Associação de Olivicultores de Trás-os-Montes e Alto Douro, liderada pelo atual presidente do Município de Mirandela, António Branco, "está a funcionar na ilegalidade porque não há eleições para os órgãos sociais há vários anos, não presta contas aos associados e não garante a certificação DOP aos olivicultores da região".
A denúncia parte de Júlia Rodrigues, que diz ter recebido várias queixas de associados sobre esta situação que a líder do PS de Mirandela classifica de "muito grave".
A líder do PS acrescenta que a associação presidida por António Branco "não garante, alegadamente, por incumprimento de pagamento, a certificação DOP aos olivicultores da região, revelando que alguns produtores, entregaram para análise amostras para obterem o reconhecimento de qualidade e aguardam, há meses, o resultado".
Júlia Rodrigues entende que esta postura, "é um entrave ao desenvolvimento de uma fileira prioritária e que demonstra um fracasso completo da AOTAD, que arrasta consigo a DOP Trás-os-Montes e os pequenos produtores de azeite". A líder do PS de Mirandela diz ainda que os funcionários da AOTAD têm salários em atraso
São as acusações de Júlia Rodrigues à direção da AOTAD, a associação chefe desta fileira numa região com cerca de 37 mil olivicultores.
o presidente da direção da AOTAD, o autarca de Mirandela, António Branco, nega as denúncias avançadas, mas não quis prestar declarações sobre o assunto.

Escrito por Terra Quente (CIR)

Sem comentários: