quinta-feira, 23 de março de 2017

Câmara Municipal trabalha na eficiência da rede de abastecimento de água

O Relatório da Entidade Reguladora da Água e dos Resíduos alertou para a necessidade de otimização das redes de distribuição de água em Macedo de Cavaleiros, mas segundo a autarquia "os dados reportados pela ERSAR, referentes ao ano de 2015, carecem de atualidade, e não refletem o trabalho que a Câmara Municipal tem vindo a realizar no combate ao desperdício de água".
Num comunicado enviado à comunicação social a câmara macedense diz que está a realizar uma "monitorização regular da sua rede", e que "tem efetuado um intenso esforço de investimento na resolução deste problema. Só para 2017, a Câmara Municipal realizará um investimento superior a 500 mil Euros na otimização da rede de abastecimento de água", salienta o comunicado. 

A autarquia admite a existência de um problema mas refere que "implementou um programa de deteção de anomalias nas redes de abastecimento de água em todo o concelho, com um sistema de deteção de fugas não visíveis. Tal orientação tem possibilitado, além de identificar situações de anomalia, proceder à imediata intervenção nas redes, no sentido de colmatar as perdas de água e assegurar os padrões de qualidade ao nível do abastecimento aos munícipes". 

Ainda dentro deste Plano Municipal de Otimização da Rede de Abastecimento de Água, a Câmara Municipal lançou recentemente um concurso para a elaboração de todo o cadastro da rede de água e saneamento no concelho, tendo já adquirido um software que possibilitará um controlo muito mais eficaz para a gestão da água, investimento que ultrapassa os 340 Mil Euros. O Plano prevê também o levantamento dos consumos não cobrados nos equipamentos municipais, nomeadamente os desportivos como o Pavilhão, Estádio ou as Piscinas Municipais, cujos consumos representam 5 a 10% do volume total do Município, o que corresponderá a uma verba entre os 70 e 80 Mil Euros anuais. 

Carlos Barroso, Vice-Presidente da Câmara de Macedo de Cavaleiros, admite que, de facto, “em 2015, o valor era alarmante mas o programa de combate às fugas e perdas de água entretanto implementado já permitiu, de acordo com dados de fevereiro, uma redução das perdas na ordem dos 40%. Todo este este esforço com certeza que permitirá uma melhoria dos padrões de serviço a prestar aos Macedenses.”

in:noticiasdonordeste.pt

Sem comentários: