terça-feira, 28 de março de 2017

Socorro testado em caso de acidente ferroviário em Carrazeda de Ansiães

Numa altura em que passam 10 anos sobre o acidente com um comboio na linha do Tua, que provocou três mortos e dois feridos graves, a Protecção Civil do distrito de Bragança testou, no passado sábado, o socorro num acidente ferroviário simulado na Linha do Douro, no viaduto de Ribalonga, em Carrazeda de Ansiães.
O resgate de um morto, quatro feridos graves e três ligeiros demorou cerca de duas horas e decorreu como previsto, num cenário difícil, como realçou o comandante distrital da Protecção Civil, Noel Afonso.

“Esta é uma linha em que os acessos por via terrestre são muito difíceis e, às vezes, mesmo inexistentes”, notou, comparando o cenário deste simulacro ao que se verificou há 10 anos na linha do Tua. “Para fazer um socorro eficaz é preciso planear e treinar”, justificou.

A operação de resgate dos feridos contou com a colaboração do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro da GNR. O capitão Pedro Fernandes salientou que “estas operações são bastante difíceis e implicam meios e recursos bastante especializados”, dadas as suas características.

Para este exercício foram mobilizados 72 operacionais e 14 veículos, dos Bombeiros Voluntários de Carrazeda de Ansiães, Vila Flor, Mirandela e Torre de Moncorvo, INEM e GNR de Carrazeda de Ansiães. Também esteve envolvida uma equipa de montanha do GIPS da GNR, bem como elementos da Infra-estruturas de Portugal e da CP. 

Escrito por Rádio Ansiães (CIR)

Sem comentários: