terça-feira, 30 de maio de 2017

Decorrem investigações por alegados abusos entre alunos numa escola do Agrupamento Vertical de Escolas de Macedo de Cavaleiros

Decorrem investigações num caso relacionado com um alegado abuso sexual entre alunos numa escola do Agrupamento Vertical de Escolas de Macedo de Cavaleiros.
Tudo terá acontecido dia 22 de maio e começou a cair no domínio público quarta-feira (24), depois de um dos alunos alegadamente abusados ter narrado o acontecido no seu perfil de uma rede social. Foi na mesma rede social que o caso foi ampliado no dia seguinte, quinta-feira (25), com uma publicação, replicada algumas centenas de vezes, onde se falava claramente de um alegado abuso sexual entre alunos.

Segundo o apurado até ao momento, tudo aconteceu numa casa de banho do Polo 2, que alberga crianças entre o 3º e o 6º ano, onde três jovens do sexo masculino de 15 anos estariam a expor, por brincadeira, os órgãos genitais, quando foram surpreendidos por dois rapazes mais novos, de 9 anos, que terão sido coagidos a despirem-se também.  O caso que terá sido detetado no imediato por uma funcionária da escola.

A escola terá chamado os alunos envolvidos e os respetivos encarregados de educação, para a abertura de um processo de averiguação interno. O caso foi reportado à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens do concelho, que em articulação com a GNR, abriu um processo sobre este caso, no âmbito do qual vão voltar a ser ouvidos todos os visados. Até ao momento, informa fonte da GNR, não há qualquer queixa formalizada por nenhuma das partes envolvidas.

O tema fez parte da reunião camarária desta segunda-feira, onde foi levantado um outro problema verificado nesta instituição, ligado a dificuldades relacionais entre as crianças, devido ao fosso etário, e à falta de funcionários suficientes.

O vereador do PS, Fernando Castanheira Pinto, e representante ainda dos encarregados de educação de uma das turmas que frequenta aquela instituição de ensino, de 4º ano, explica sobre esta matéria que pais e alunos referem a existência deste problema, que pode ser consequência direta desta carência de auxiliares.

Sabemos que há brincadeiras de criança, mas que neste momento ultrapassam isso, nomeadamente com alguns miúdos que têm algum receio de ir para a escola porque são ameaçados por outros maiores que lhe batem. Consideremos que, neste momento, o que seria mais importante para a escola era ter sobre esses miúdos, que estão sinalizados, mais vigilância, e para isso era necessário mais pessoal auxiliar.

Já na última reunião de câmara frisei esse problema. Coloquei a questão à câmara, na sequência de um pedido que foi feito pelo senhor diretor do Agrupamento, em que se vê a braços com uma falta muito grande de pessoal auxiliar.

Tinha sido pedido ajuda à câmara, mas não vemos seguimento em tempo útil e rápido, como é necessário para que os miúdos possam ser mais vigiados, no sentido que estas questões não aconteçam. É importante, porque a escola é saudável e necessária. Queremos que todas as crianças vão para a escola com vontade de ir, e não com receio.
A falta de funcionários no Agrupamento de Escolas de Macedo de Cavaleiros volta a ser tema no concelho. Recorde-se que a Direção Geral de Estabelecimentos Escolares é responsável por questões desta natureza, como a contratação de pessoal.

Escrito por ONDA LIVRE

Sem comentários: