quinta-feira, 22 de junho de 2017

Adolfo Augusto Baptista Ramires

Engenheiro agrónomo, professor do Instituto Superior de Agronomia, senador (1918), sócio do Instituto de Coimbra e da Academia das Ciências de Lisboa (1923). Nasceu em Bragança (Santa Maria) a 1 de Janeiro de 1868; filho de António Augusto Baptista e de D. Etelvina Augusta Ramires Baptista. Fez o curso liceal em Bragança e Viseu e o do Instituto de Agronomia e Veterinária em Lisboa, concluindo-o em 1894 com a classificação de dezassete valores.

Tem exercido os seguintes cargos:
Químico-analista na antiga Estação Químico-Agrícola de Lisboa, sob a direcção do químico alemão doutor Hugo Mastbaum, com quem muito aprendeu, trabalhando a seu lado e ao lado do analista doutor Otto Klein.
Por aquele foi escolhido de entre os analistas da Estação para, por ordem do director-geral desse tempo (Elvino de Brito), ir montar, com todas as obras a seu cargo, exclusivamente, o laboratório oficial que mais tarde foi o «Laboratório Geral de Análises Químico-Fiscais». Organizados os serviços desse Laboratório, por proposta do Conselho Escolar, foi nomeado auxiliar do ensino, chefe de serviço, no Instituto que o diplomou.
Em 1899, nomeado professor técnico da Escola Nacional de Agricultura (Coimbra).
Em 1905, incumbido da missão agronómica em Espanha, por empresa daquele país. O relatório que apresentou foi traduzido ali e lá publicado, tomando dele conhecimento o Ministério del Fomento.
No mesmo ano, foi relator no Congresso Nacional de Leitaria e Oleicultura, onde relatou as teses VI e XIV, com um voto de louvor do Congresso e medalha de ouro conferida pela antiga «Real Associação Central de Agricultura Portuguesa», tendo o ministério da Agricultura de França publicado em um dos seus boletins mensais uma parte do seu relatório da tese VI.
No mesmo ano, incumbido, em missão oficial, de estudar a doença da cana sacarina na Ilha da Madeira.
Em 1908 (ou 1909?), incumbido, por portaria ministerial, de ir à Dinamarca e à Suécia estudar a laticultura daqueles países. A falta de saúde não lhe permitiu então sair de Portugal.
Em 1909, incumbido do estudo económico e tecnológico da indústria leiteira em Portugal, missão oficial pedida de Inglaterra. Relatório traduzido e publicado ali pela casa Douglas, de Edimburgo.
Em 1910, nomeado director da Escola onde era professor. No ano seguinte, exonerado desse cargo, a seu pedido, exoneração duas vezes requerida.
Em 1914, nomeado professor do Instituto Superior de Agronomia. Em 1926, nomeado chefe da secção de «Estudos tecnológicos» da Estação Agrária Nacional, de que pediu a demissão no ano seguinte, por não lhe darem os elementos de trabalho que reputava indispensáveis, não obstante o director-geral, que lhos recusou, ser funcionário de – cumpre dizê-lo – muito notáveis méritos.
Em 1928, nomeado director do Laboratório de Microbiologia Agrícola «Ferreira Lapa».

Escreveu:
As indústrias do leite (Dissertação inaugural respectiva ao seu curso). Coimbra, 1894.
Duas notas sobre entomologia agrícola, colhidas em montados portugueses: «Coroebus undatus» e «C. bifasciatus». Lisboa, 1899.
Lesões em árvores florestais (Um caso agrícolo-legal). Coimbra, 1898.
A degenerescência da «Vinha europeia». (Estudo da sua decadência e etiologia – Processos de multiplicação artificial). «Anais de Ciências Naturais ». Porto, 1898.
Fabrico da manteiga (Pasteurização de natas, etc.) Tese VI do Congresso Nacional de Leitaria e Oleicultura. Traduzido e publicado no «Boletim do Ministério da Agricultura de França», Agosto de 1905. Lisboa, 1905.
Alterações e falsificações do leite e seus derivados industriais. (Tese XIV, do mesmo congresso).
Estudio agronómico de la «Finca de Pias». (Estudo feito em Espanha, por incumbência da Empresa Agrícola dali, com o respectivo plano da exploração). Traduzido e publicado em Madrid, 1905.
Contribuição para o estudo da influência alimentar sobre as variações da função lactogénica. (Contestação das conclusões do doutor Fjord, de Copenhaga). Separata do Instituto de Coimbra, 1908.
Leitaria moderna. Um volume ilustrado, de 550 págs. Lisboa, 1908.
Estudo económico e tecnológico da leitaria em Portugal nos últimos 40 anos. (Relatório pedido de Inglaterra. Traduzido e publicado pela casa editora Douglas de Edimburgo, 1909).
A pasteurização e a esterilização do leite. (Memória concorrendo ao prémio estabelecido pela «Fédération Général du Lait» de Bruxelas, 1914).
Essais sur la matière colorant des vins. (Estudo laboratorial do autor sobre a inexactidão das conclusões francesas). Separata da «Revista de Química Pura e Aplicada», 1913.
A «anfibiose» na fermentação alcoólica. Dissertação de concurso ao lugar de professor no Instituto. Lisboa, 1914.
Questões de lacticologia – Higiene pública. (Alterações de origem alimentar). Memória. Lisboa, 1915.
Antibiose e metabiose microbianas. (Aplicação à bacterioterapia).
Memória publicada pelo «Laboratório Sanitas» e por esta empresa enviada aos médicos de Portugal e Brasil. Lisboa, 1918.
Federação agrária e exploração social do solo inculto transmontano. (Tese apresentada ao 1.º congresso transmontano). 1920.
Tratado de vinificação – Processos modernos aplicados às condições de Portugal e países quentes. 2 vols. Editores Rodrigues & C.ª, Lisboa. Foi publicado em 1929 o 1.º volume de 560 páginas.
Pronto para publicar: Colonização e emigração portuguesa – O seu aspecto económico e o seu aspecto biológico.
Novos estudos sobre «fermentos lácticos» e sua aplicação prática. A estrutura diastásica e a zimogenese microbiana. (Estudo de laboratório a sair no «Anuário» do Instituto Superior de Agronomia).
No prelo: Tratado de vinificação. 2.º vol.
Colaborou em vários jornais, em diferentes épocas, sobre diversos assuntos, artigos que nem sempre assinou.

Memórias Arqueológico-Históricas do Distrito de Bragança

Sem comentários: