quarta-feira, 14 de junho de 2017

Joaquim Rodrigues Ferreira Pontes

Cónego da Sé de Braga e deputado pelo círculo de Moncorvo em 1851 e 1852. Era natural de Urros, concelho de Moncorvo. Faleceu em Braga a 25 de Março de 1853. Exerceu por algumas vezes o cargo de governador do bispado na mesma diocese.
Principiou os seus estudos em Moncorvo, dos quais desistiu, retirando-se para a sua terra natal, onde casou, enviuvando depois e, falecendo-lhe também a única filha que lhe ficara do matrimónio, foi para Braga, onde se ordenou de presbítero, e em seguida para Coimbra, formando-se ali em direito.
No Diário do Governo de 7 e 8 de Junho de 1848 vêm extractos dos discursos de Pontes, que mostram interessar-se pelas fábricas das sés e respectivos cabidos. Também no mesmo Diário de 30 de Abril de 1849 vem uma proposta sua, para que os distritos administrativos de Portugal se reduzissem a dez, e em Trás-os-Montes houvesse só um, com a sua sede em Mirandela.
Encontram-se várias propostas deste deputado no Diário do Governo de 16 de Março, 25 de Abril, 8 e 22 de Maio e 26 de Junho de 1849, que trazem largos extractos das sessões da câmara dos deputados. (Veja-se o referido Diário de 13 de Abril de 1850, onde vem as suas propostas sobre a redução das dioceses).
Falou na sessão de 17 de Março de 1852 sobre a viação na província de Trás-os-Montes, e na de 5 de Abril de 1853, extractada no Diário do Governo do dia seguinte, o deputado Pessanha comunicou à câmara que Pontes falecera em Braga a 25 de Março de 1853, pelas 8 horas da manhã.
Barbosa Colen  menciona Pontes como «um orador de argumentação cerrada, analysando os acontecimentos com minucia, esmerilhando as consequências com pachorra».

Memórias Arqueológico-Históricas do Distrito de Bragança

Sem comentários: