sexta-feira, 7 de julho de 2017

“Concentração em Mirandela é das melhores de Portugal

Entrevistado: Paulo Guilherme

Cargo: Presidente do Moto Clube de Mirandela (desde 2011)

Ocasião: XXI Concentração Motard de Mirandela

Bruno Mateus Filena: O que é que a Concentração de Mirandela faz de diferente de forma a justificar o seu sucesso?

Paulo Guilherme: É, essencialmente, o nosso espaço. Temos um espaço que é muito atrativo e quem visita Mirandela fica a gostar da recetividade, para já, dos mirandelenses e, ao mesmo tempo, do espaço em si, que proporciona a todos um fim de semana de excelência.

BMF: A proximidade do rio é, definitivamente, um elemento que poucas concentrações, neste momento, dispõem. Considera esse o principal fator que torna a concentração da Cidade do Tua tão concorrida e que faz com que ela cresça de ano para ano?

PG: Precisamente. E a nossa festa cresce todos os anos devido, em grande parte, ao espaço que temos porque dá condições ideais a quem nos visita. Nós, organicamente, também tentamos arranjar formas de conseguirmos que as pessoas se sintam bem aqui e é todo um complementar de situações que faz com que os motards queiram vir à nossa cidade e, neste momento, são os próprios a dizerem que a concentração em Mirandela é das melhores de Portugal.

BMF: O que é que destacaria no cartaz de 2017?

PG: Sabes que a nossa ideia é sempre inovarmos com o programa e, este ano, tivemos duas situações que nunca tínhamos feito que foram o hastear da bandeira com as entidades da cidade logo no início da concentração e tivemos, ainda, um simulacro de acidente em tempo real onde nós também queremos fazer ver que estamos em parceria com os bombeiros voluntários e todas as entidades da cidade. Com isto, a nossa ideia era fazermos ver que, num teatro de operações real, o que é que o motard deve fazer num acidente.

“Não sou só eu, somos nós todos e não me canso de repetir que não há um presidente, somos todos presidentes, toda a gente manda e a transparência aqui é fundamental”, P.G.

BMF: Ena Pá 2000, Freestyle, Passeio Noturno, esta concentração reúne em si todos os condimentos para ser um sucesso. Quantas pessoas são esperadas ao longo do fim de semana em Mirandela?

PG: Estamos à espera entre 5 a 7 mil pessoas no recinto, ou mais. Falo em entradas contabilizadas porque, no geral, 10 a 11 mil pessoas à confiança. A contar não só com os visitantes, mas também com as gentes de Mirandela. Claro que temos um programa muito vasto e de qualidade. Ena Pá 2000 como já referiste, mas temos, também, outras bandas, FullSteam, temos uma banda da terra e várias situações como o Freestyle no Parque da Cocheira, que é um atrativo que damos, não só aos motards, mas também a todos os residentes, que é um evento gratuito, apesar de nos custar muito dinheiro, e tudo em prol de continuarmos a interagir com mirandelenses dentro da cidade.

BMF: Já em várias direções e, agora, enquanto presidente, como é que tem vindo a acompanhar a evolução da concentração nos últimos anos?

PG: Tenho que te dizer que 85 a 90 por cento dos nossos órgãos sociais têm-me acompanhado ao longo dos anos e os que saem fazem-no, exclusivamente, por razões profissionais ou familiares e eu fico satisfeito, de facto. Só assim posso continuar à frente de uma associação como esta, onde temos um plano anual de atividades com eventos todos os meses e eu tenho o privilégio de ter uma equipa que me dá garantias que eu posso fazer um bom trabalho dentro do Moto Clube. Não sou só eu, somos nós todos e não me canso de repetir que não há um presidente, somos todos presidentes, toda a gente manda e a transparência aqui é fundamental. Por isso, estou há anos no Moto Clube e já vivo esta casa como se fosse a minha. E mesmo se um dia tiver de deixar a presidência, estarei sempre aqui disposto a ajudar o Moto Clube de braços abertos, independentemente de quem venha dar continuidade ao trabalho que tem vindo a ser bem feito em Mirandela.

BMF: Mas é sua intenção permanecer, pelo menos para já, enquanto presidente do Moto Clube, certo?

PG: Eu não me quero agarrar a uma associação para todo o sempre. O que eu quero dizer com isto é que, na eventualidade de ter de dar o lugar a outro para trazer novas ideias, eu acho muito bem que isso aconteça e só não aconteceu já porque ninguém tem tido disponibilidade para o fazer. Mas eu estarei sempre aqui para ajudar, se assim me abordarem. Até porque esta é uma associação que está muito bem cotada na cidade, na região, no país e, inclusive, lá fora. E tudo farei para que continue assim e que continue até a crescer bem mais do que aquilo que temos vindo a fazer até aqui.

BMF: Referiu alguns apoios institucionais, da PSP, dos bombeiros e, nomeadamente, da autarquia…

PG: A autarquia é a maior. Não há palavras para agradecer ao que a autarquia tem feito pelo Moto Clube de Mirandela. Os dinheiros não importam muitas das vezes. O que realmente importa é a recetividade, a parte humana, a forma como as pessoas são tratadas, a logística, até porque este evento, sendo numa zona verde, o espaço tem de ser tratado e aqui andaram 50 operacionais da câmara a trabalhar durante uma semana só para a concentração. E toda esta abordagem, toda esta flexibilidade da câmara, é de sublinhar e de agradecer muito.  

BMF: Que outros eventos organizados ou promovidos pelo Moto Clube destacaria ao longo do ano?

PG: Nós temos várias secções dentro do Moto Clube de Mirandela. Além do Moto-Turismo, que é o caso da concentração de motas, temos, também, as Cinquentinhas, que é aquela secção de motas que, antigamente, estavam guardadas em palheiros que ninguém olhava para elas e que, hoje, valem muito dinheiro, onde temos uma secção já com algumas atividades organizadas como passeios e encontros. Temos o TT da Feira da Alheira, um evento que está integrado no programa da Feira da Alheira da Cidade de Mirandela. Temos, também, uma secção de Clássicos, em que fazemos alguns passeios durante o ano. Por isso, o Moto Clube de Mirandela não se baseia só no Moto-Turismo, baseia-se noutras áreas e o nosso objetivo passa sempre por trazer mais gente ao Moto Clube, interagirmos com toda a gente e aquilo não é meu, nem dos sócios, nem dos órgãos sociais que lá estão, é de todos. E quem trouxer ideias, seremos sempre recetivos.  

ENTREVISTA

Presidente da Câmara Municipal de Mirandela: António Branco

- Pequena entrevista a respeito da XXI Concentração Motard, dada in loco ao Diário de Trás-os-Montes, sábado, momentos antes do edil jantar no próprio recinto -

Bruno Mateus Filena: Já tive a oportunidade de entrevistar o presidente do Moto Clube de Mirandela, que fez questão de frisar o apoio incondicional da autarquia, não só em termos financeiros como, sobretudo, em termos logísticos. Como é que olha para esta concentração e qual a sua importância para a cidade?

António Branco: A concentração de Mirandela é um dos eventos mais importantes do nosso verão. Aliás, normalmente, é o início do nosso verão de eventos e costuma ser o evento com maior dimensão nesta altura, em junho. É uma concentração que tem vindo a crescer, que tem vindo a melhorar em qualidade, na oferta e, felizmente, também, em número de aderentes. E, por isso, é um evento que nós gostamos de apoiar. E apoiamos, também, pela seriedade de quem está à frente do Moto Clube e pela seriedade que tem colocado naquilo que se propõe fazer. Este é um evento que não é fácil, por toda a infraestrutura que envolve, o isolamento do parque, o número de atividades que são realizadas e, felizmente, temos tido sempre boas organizações, sem problemas e com muita gente em Mirandela, que é o que nós necessitamos. Por isso, enfim, nós apoiamos, mas estamos a apoiar Mirandela ao apoiarmos esta concentração e queremos é que todos os anos seja ainda melhor.

BMF: Para além do crescimento notório e falo, agora, na qualidade de motard que tem acompanhado o crescimento da concentração, regista-se também um incremento no número de motards nacionais e internacionais que durante o fim de semana da concentração visitam Mirandela. Como é que a autarquia constata esta evolução?

AB: É isso mesmo! Nós temos trabalhado precisamente para isso. Nós temos vindo a trabalhar para vários públicos diferentes e este é um tipo de público muito importante, Os motards chegam na sexta-feira, saem domingo e em todos os sítios da cidade se encontra a sua influência. Não é, apenas, aqui no parque da concentração, há atividades, há restauração a funcionar, o alojamento, isto é, o retorno económico é muito elevado e outro retorno que para nós é tão ou mais importante é a mensagem que os motards passam ano após ano quando saem de cá. E, por isso, esta é uma forma de promover o nosso território, uma forma de promover a nossa cidade, é um evento que nós nem sequer discutimos e como digo, tem vindo a melhorar muito, em termos de organização, em termos de estrutura, em termos da captação e nós temos feito o que podemos para ajudar dentro das nossas possibilidades.

BMF: Esta concentração, ao contrário de muitas outras, reveste-se de um caráter familiar que não é muito comum neste género de eventos. Nota-se a presença de muitas famílias, muitas crianças e este é, também, um aspeto positivo de louvar?

AB: Esse é um elemento que nós também queremos trazer para esta concentração e é, por isso, que é feita neste espaço junto ao rio com esta abertura. Isto não pode ser um evento feito para um grupo de pessoas que se junta, não. É um evento aberto à população, há atividades que são feitas no exterior como o Freestyle e, também, é preciso ver que, ao longo do ano, o Moto Clube está envolvido em muita coisa. Não é só nesta concentração. Nós temos várias atividades que vão decorrendo ao longo do ano, além do auxílio que dão em certos eventos, mas, por exemplo, o natal motard, em que circulam por Mirandela, entre várias iniciativas que desenvolvem. E por o Moto Clube não se esgotar na concentração, isso faz com que muitas crianças que aqui vêm, que conhecem as pessoas do Moto Clube e aderem, não só pela mota em si, que é fundamental, mas também pelo respeito e pelo convívio que tem havido todos os anos.

Bruno Mateus Filena
in:diariodetrasosmontes.com




Sem comentários: