terça-feira, 11 de julho de 2017

Estima-se aumento da produção de vinho na Região Demarcada do Douro, mas seca pode alterar previsão

A Região Demarcada do Douro poderá produzir na próxima vindima entre 266 mil e 288 mil pipas de vinho.
A previsão Associação de Desenvolvimento da Viticultura Duriense (ADVID), aponta para um aumento significativo na colheita.

Comparativamente com o ano passado haverá mais 26% a 36% de vinho. Já em comparação com a média de produção dos últimos sete anos, o aumento previsto para este ano andará entre 13% e 22%.

Rosa Amador, directora-geral da ADVID, salienta que 2017 está a ser um bom ano para a vinha. Não se verificam doenças na vinha, mas já se nota a falta de água.

Se continuar sem chover, o mais certo é as previsões falharem.

José Maria Soares Franco, da empresa Duorum Vinhos, que possui 130 hectares de vinha em Vila Nova de Foz Côa, confirma que este ano, apesar de tudo, está a correr bastante bem.

E Paulo Costa, que é enólogo consultor e acompanha vinhas nas regiões do Baixo e Cima Corgo, tem também boas perspectivas para este ano vitícola.

As previsões de vindima são um dos parâmetros avaliados pelo conselho interprofissional do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto para definir o benefício, ou seja, a quantidade de mosto que cada produtor pode transformar em vinho do Porto. 

Escrito por Rádio Ansiães

Sem comentários: