terça-feira, 18 de julho de 2017

Nós Transmontanos, Sefarditas e Marranos - FERNANDO (ABRAHAM) DIAS FERNANDES (N. PASTRANA, 1665 – LONDRES D.1742)

Nasceu em Pastrana, Castela, por 1665. Seu pai, Diogo Dias Fernandes, originário de Muxagata, concelho de de Foz Côa, era mercador e certamente andava cá e lá, de um e outro lado da fronteira. Por duas vezes ficou viúvo e o terceiro casamento foi com Joana Correia Solis, natural de Castela que lhe deu 4 filhos machos, entre eles o Fernando.

Era miúdo, menor de 8 anos, quando veio de Pastrana para Muxagata, para casa de seu tio segundo, Luís Francisco, que o meteu a estudar na escola da terra, (1) antes de o iniciar no mundo dos negócios e da cobrança de rendas. E a primeira saída, em tais funções, seria para a região de Chaves, assentando em Rio Torto, onde a família ganharia espaço.

Por 1683, foi casar na vila de Freixo de Numão, com Maria Gabriela Pinheiro, sua prima. Ali estabeleceram morada e lá lhe nasceram dois filhos e uma filha. Seria um dos principais da terra, já que o nomearam mordomo da confraria da Senhora da Carvalha. E sendo mordomo, promoveu uma grande festa com missa cantada, sermão… comédias e danças… “e dando um vestido à dita Senhora, de primavera”. Dirá mais tarde que a festa foi organizada em ação de graças a Nossa Senhora por lhe ter curado a sua mulher de uma grave doença, estando despedida dos médicos. E isso mesmo foi atestado pelo pároco e homens da nobreza da terra.

Em 1691 a família mudou-se para o Porto, seguindo o tio Luís Francisco, atrás nomeado que, na Invicta, conseguiu tomar de arrendamento o consulado da alfândega. E pela mão do tio, que não tinha filhos, e em sua substituição, Fernando desempenhou funções de feitor da mesma alfândega. A sua casa de morada era junto à capela de Nª Sª do Terreiro, freguesia de S. Nicolau, capela que então foi reedificada, sendo ele foi o primeiro a contribuir.

Mas não se pense que ele era um mero burocrata, a fazer despachos, “varejar” navios e taxar mercadorias. Antes se revelou um empresário dinâmico, um mercador de largo trato, atuando em mercados estrangeiros. No Brasil mandava comprar açúcar, tabaco e couros que vendia no reino e exportava para Espanha, Holanda, Inglaterra... dali recebendo tecidos e ferragens. Vejam, em prova, o seu próprio testemunho:

- Do Brasil lhe vieram na frota passada, em diferentes navios, 20 caixas de açúcar, as quais lhe mandou de Pernambuco António Rodrigues Campelo; do Rio de Janeiro, José Gomes da Silva; da Baía, Luís Mendes de Morais, e o seu comissário João Francisco, todas procedidas de efeitos que ele declarante havia mandado para as mesmas partes. (…) E que ele declarante é devedor a Luís da Costa, homem de negócio, em Londres, da quantia de 900 e tantos mil réis, procedidos de fazendas que mandou a ele declarante, da qual dívida lhe havia passado uma letra… (2)

Neste comércio internacional, o transporte marítimo apresentava excecional rentabilidade. E Fernando Dias tornou-se armador, proprietário de, pelo menos, um navio, chamado S. Miguel, o Anjo, que em fevereiro de cada ano zarpava para o Brasil, regressando na frota de setembro. E falecendo o piloto do navio, José Rodrigues Arão, foi o seu filho Diogo Dias Fernandes que assumiu aquele posto, contando apenas uns 18 anos! Aquele barco acabaria por afundar-se no rio Tejo e teria Fernando encomendado a construção de outro, quando foi preso.

As viagens transatlânticas eram deveras perigosas e frequentes as perdas de mercadorias e de navios. Por isso a atividade seguradora apresentava-se a Fernando Dias como um vasto campo a explorar. Obviamente que esta atividade envolvia riscos e quando os percalços aconteciam, Dias Fernandes tudo fazia para fugir à indemnização devida. Temos notícia de um pleito com um segurado cujo navio e mercadoria se perdeu na viagem pelo rio Douro, entre o Porto e Foz Tua. (3)

Em 1700, 9 anos depois de chegar ao Porto, o círculo empresarial da cidade apresentava-se já pequeno para os projetos de Fernando, apoiado pelo tio Luís Francisco. Com efeito, de parceria com Pedro Furtado, eles tomaram o arrendamento do consulado da alfândega de Lisboa. Luís Francisco conseguiu ainda o contrato do tabaco na capital do reino, o qual andava por mãos do contratador Diogo Nunes Pereira. Assim, e como lugar-tenente do tio, em Janeiro de 1701, Fernando Dias e a família abandonaram o Porto e foram estabelecer-se em Lisboa. A sua primeira casa de morada foi junto à Sé, transferindo-se depois para o Rossio, para a denominada “casa dos degolados”.

Do tempo de sua morada à Sé, recordamos um episódio acontecido no Terreiro do Paço em que, queixando-se ele a Gaspar Mendes Henriques da falta de carvão em casa, este respondeu que fosse à loja e que para o conhecerem e lhe darem o carvão “bastava saberem que ele era genro do Medina” e entretanto lhe mandaria vir mais carvão de Abrantes. E esta nota é interessante, pois que ainda hoje é daquelas partes que se faz o abastecimento de carvão a muitas regiões deste país, nomeadamente a Trás-os-Montes.

Estamos então em Lisboa, em Março de 1703, quando a inquisição prendeu Fernando Dias Fernandes. Entre as muitas práticas de judaísmo de que foi acusado, uma se destacava: a de frequentar as “sinagogas” de Diogo Henriques Julião e de Manuel de Aguilar e ele próprio dar “sinagoga” em sua casa, no Porto. (4) Interessante que na sinagoga de Diogo Julião entravam homens e mulheres, enquanto as outras duas eram apenas frequentadas por homens.

Impossível resumir aqui o seu processo. Diremos tão só que a sua defesa é muito perspicaz, com muitos pedidos de esclarecimento e reperguntas aos denunciantes. Muitos interessantes são também as contraditas apresentadas, que permitem vislumbrar quadros muito vivos e reais do ambiente social em que o contratador Fernando Dias se movimentava. A título de exemplo, veja-se a contradita apresentada contra um presumível denunciante:

- Teve ele réu uma pendência com Rodrigo Álvares da Fonseca, irmão do dito Fernão da Fonseca, por causa de umas peças de baeta que se haviam de tirar do navio Nª Sª da Graça, que naufragou na costa de Vila do Conde (…) e um tio do réu, por nome Luís Francisco (…) contratador do consulado, fez tomadia de umas pipas de vinho ao dito Rodrigo Álvares da Fonseca, que importaram em cento e tantos mil réis (…) e também mandou dar varejo em um navio, por nome Madre de Deus, que era do dito Rodrigo Álvares da Fonseca e irmão e cunhado Domingos da Fonseca, que mandavam para Pernambuco, e lhe fez tomadia em diferentes fazendas sonegadas aos direitos, que importou em mais de 4 contos de réis…

Resta dizer que Fernando Dias Fernandes acabou condenado em hábito penitencial perpétuo no auto da fé celebrado ao Paço da Inquisição em 12 de setembro de 1706. Posto em liberdade, fugiu com a família para Inglaterra onde se fez circuncidar tomando o nome judeu de Abraham Dias Fernandes. De Inglaterra continuou comerciando com Portugal e para facilitar contactos e evitar sequestros de mercadorias, usava o nome de Miguel Viana. Em 1743 ainda era vivo, pois que nesse ano fez seu testamento, em língua portuguesa, sendo posteriormente traduzido para inglês. (5)

NOTAS e BIBLIOGRAFIA:

1-Na escola, em Muxagata, Fernando teve por companheiro o Dr. António Botelho da Mesquita, homem da principal família de Freixo de Numão e o futuro padre Simão Nunes. Sinal de importância e eficácia daquela escola para chamar alunos de outro município?

2-ANTT, inq. Lisboa, pº 2014, de Fernando Dias Fernandes.

3-ANDRADE e GUIMARÃES, Nós Trasmontanos… André Garcia de Miranda, in: jornal Nordeste nº 1078, de 11.7.2017.

4-Pº 2014, tif 69, denúncia de Francisco da Costa, familiar do santo ofício: - (…) Diogo Henriques Julião, que tinha grande negócio, que vivia na Rua Nova e hoje está na Holanda, aonde logo se circuncidou (…) que em sua casa se fazia sinagoga, porque em certos dias da semana se ajuntavam na mesma casa a maior parte dos homens da nação juntamente mulheres e saíam de noite (…) E que estes ajuntamentos se faziam hoje em casa de Manuel de Aguilar, estanqueiro do tabaco, que viera do reino de Castela e assiste nesta cidade há 8 anos, que é morador ao princípio da Rua da Reboleira (…) porque todo o homem da nação desta cidade e os que a ela veem, todos vão passar a sua casa, e também presume que em casa de Fernando Dias Fernandes fazem também sinagoga, porque também concorrem na mesma casa, e porque são particulares amigos e parceiros no negócio, que o trazem muito grande e Fernando Dias Fernandes é homem baixo, refeito de corpo, a cara cheia, cabelo castanho escuro…

5- Esta informação foi-nos transmitida pela Drª Carla Vieira, da cátedra de estudos sefarditas, a quem, penhoradamente, agradecemos.

António Júlio Andrade / Maria Fernanda Guimarães
in:jornalnordeste.com

Sem comentários: