quinta-feira, 14 de junho de 2018

Um dia de fé, três ações pastorais e mais de duas mil pessoas

Responderam mais de duas mil pessoas ao chamamento da Diocese de Bragança-Miranda que, a 10 de junho, celebrou a Solenidade do Santo Anjo da Guarda de Portugal com três ações pastorais distintas, repartidas entre Macedo de Cavaleiros e a capital nordestina.
A Diocese de Bragança-Miranda comemorou, a 10 de junho, o dia do Santo Anjo da Guarda de Portugal com três ações pastorais distintas, repartidas pelos concelhos de Bragança e Macedo de Cavaleiros.

O Encontro na Senhora do Campo que acontece anualmente na freguesia de Lamas, em Macedo de Cavaleiros, serviu de mote à reunião das forças vivas de 18 comunidades da Unidade Pastoral de Santo António. E nem a chuva, nem a ameaça de mau tempo, conseguiram atemorizar o coração dos mais de mil crentes que responderam ao apelo da fé, comparecendo neste convívio cristão que já é uma tradição no seio da Família Católica Apostólica Romana.

O ponto alto da manhã foi mesmo a Eucaristia presidida pelo bispo diocesano com início marcado para as 9h30. “Como se tratava da celebração do Crisma, as pessoas envolvidas vão, quer chova, quer faça sol, mas mesmo assim a missa foi campal e conseguimos celebrar toda a Eucaristia e o Crisma sem chuva”, resume o Bispo da Diocese de Bragança-Miranda que teve “a graça de crismar 63 jovens”, na esperança “de que possam ser verdadeiros adultos crentes porque esse é o maior desafio”. Após D. José Cordeiro ter administrado o sacramento da confirmação aos 63 fiéis, teve lugar a procissão com os estandartes e respetivas cruzes das paróquias da Unidade Pastoral.

Já sem a presença do pontífice, que rumou ao Encontro na Senhora da Serra, a festa em Macedo de Cavaleiros continuou com o almoço convívio seguido de fado e música tradicional a cargo da Banda 25 de Março, Zé Jecas e o grupo “Toka a Bombar”.

O primeiro Encontro do Arciprestado de Bragança teve lugar na Senhora da Serra e após ter surpreendido todos os intervenientes pelo êxito alcançado, o Bispo de Bragança-Miranda garantiu já um segundo encontro a acontecer no próximo ano, em local ainda a definir 

Já nos arredores de Bragança, no alto da Senhora da Serra, os fiéis dos concelhos de Vinhais e de Bragança foram chamados a participar naquele que foi o primeiro Encontro do Arciprestado de Bragança, subordinado ao tema “Baptismo da União”.

“Este dia, domingo, é de feliz coincidência com o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas e, também, foi a data escolhida pelo Arciprestado de Bragança para a realização do seu primeiro encontro, daí o valor e a importância deste dia aqui no alto da Senhora da Serra”, começou por realçar D. José Cordeiro ao Diário de Trás-os-Montes, abordando questões como a escassez de gente e uma população envelhecida naquele que, considera ser, “um território muito vasto”. E daí a necessidade, segundo o Bispo da Diocese de Bragança-Miranda, de se proceder a uma reorganização das estruturas existentes como as 326 paróquias para os tão somente 50 párocos em atividade atualmente. “Não é que o número nos preocupe, é, sobretudo, a reorganização das estruturas para, assim, podermos ser mais e melhor Igreja”, advoga o prelado, ciente da hercúlea tarefa que tem pela frente.

De relevar, ainda, que um grupo de jovens partiu a pé da aldeia de Rebordãos em caminhada até ao Santuário, numa iniciativa organizada pelo Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil Vocacional.

Já no Santuário, às 10 em ponto, teve lugar um momento de oração, seguido de “Catequese + ativa” e uma reflexão sobre o batismo, sacramento que está a ser vivido em toda a Diocese neste ano litúrgico-pastoral. À semelhança do que aconteceu na Senhora do Campo, também a Eucaristia, ao meio-dia, foi presidida por D. José Cordeiro.

A Solenidade do Santo Anjo da Guarda de Portugal celebrou-se a 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, um acaso que D. José Cordeiro apelidou de “feliz coincidência”

Durante a tarde, decorreram algumas atividades lúdicas e recreativas com as congregações, movimentos e grupos juvenis do Arciprestado presentes. Por volta das 16h30, recitou-se o terço, tendo terminado o Encontro da Senhora da Serra após uma procissão em torno do Santuário diocesano.

Naquela que foi a terceira ação pastoral a 10 de junho, Macedo de Cavaleiros acolheu pelas 18 horas um grupo de fiéis que através do sacramento da confirmação se tornaram testemunhas do Evangelho. A Eucaristia teve lugar na Santa Maria Mãe da Igreja, tendo sido norteada pelo pontífice D. José Cordeiro.

Sobre as três ações pastorais, D. José Cordeiro caraterizou-as como “sinais da primavera”, confessando, no entanto, que a Diocese não esperava, naquele que foi o Primeiro Encontro do Arciprestado, conseguir reunir mais de mil pessoas. “Diziam-nos os elementos da organização que das 1050 pulseiras, foram todas distribuídas e mais pessoas havia que as procuravam”, conta o sacerdote, visivelmente satisfeito não só pela forma como o dia correu, mas também pela forma como o dia foi preparado, garantindo que haverá um segundo encontro já no próximo ano. “Da maneira como está a acontecer, é esperançoso e é motivo de enorme alegria para o futuro”, frisou, convicto da importância da conjugação de forças no presente, assim como no futuro, entre clérigos e fiéis leigos, considerados por muitos, sobretudo, nos últimos anos, como os verdadeiros protagonistas da Igreja católica contemporânea, não só pela sua enorme representatividade como, também, pelo papel cada vez mais ativo que têm vindo a desempenhar. Tanto assim que D. José Cordeiro é o primeiro a admitir que “já não pode só estar assente esta Igreja no Clero, mas é, sobretudo, na maioria que são os leigos batizados que esta Igreja deve apoiar-se”.

Bruno Mateus Filena
in:diariodetrasosmontes.com

Sem comentários: