segunda-feira, 17 de julho de 2017

Espetáculo de Fados Solidários esgota em Bragança

Foram 550 as pessoas que se juntaram na praça interior do castelo de Bragança para assistir a mais um espetáculo solidário promovido pelo Lions Clube.
A 6º edição desta iniciativa cuja receita reverte a favor de IPSS do concelho, contou com a presença do grupo “Canto da Noite” que trouxe fados de Coimbra à cidade de Bragança.

De acordo com Jorge Novo, presidente da Lions Club Bragança, a noite de fados “é um dos eventos principais que o Lions Clube desenvolve e concretiza e que tem um cariz que vai além do solidário”. “Para além de ajudarmos as IPSS, temos a característica do fado de Coimbra, na divulgação cultural, do convívio e na confraternização com as pessoas”, frisou.
Pela primeira vez em seis anos, todos os 500 bilhetes disponíveis não chegaram para tanta gente. “Temos cerca de 50 pessoas a mais, tivemos que ir buscar mais mesas. Há ultima da hora apareceu um grupo de checos de 30 pessoas que queriam vir e nós dissemos que não podiam porque já não tínhamos lugar. Por um lado ficamos contentes porque temos aqui imensa gente, por outro lado queríamos mais gente mas já não temos condições para receber as pessoas condignamente.
Enche-nos de orgulho verificar que Bragança se associa a estes eventos solidários e nestes particulares do Lions Club. Significa que a nossa organização está bem entrosada e penetra em todas as classes sociais da sociedade de Bragança, para chegarmos às pessoas que mais precisam”, salientou.
Segundo o presidente, no ano passado a verba apurada neste evento chegou aos 2800 euros e foi entregue ao centro de educação especial da Santa Casa da Misericórdia de Bragança e também ao Centro Social de Quintela de Lampaças. “Este ano as verbas que apurarmos vamos também entregá-las a IPSS, ainda não tomámos a decisão, mas há tantas a precisarem de apoio para as suas atividades, iniciativas e para as pessoas que lá de alguma forma vivem. Tudo o que podermos fazer por elas é importante, seguindo sempre o nosso lema que é “nós servimos””, referiu.
Oriundos de Coimbra, o grupo “Canto da Noite” é constituído por quatro jovens que fizeram parte da Estudantina de Coimbra e que se juntaram para fazerem aquilo que mais gostam, cantar e interpretar o fado de Coimbra.
“Quisemos trazer cá este grupo porque este evento tem de ter nível e achamos que o nível deles é condizente com este espaço, esta sala de espetáculos única”, destacou Jorge Novo.
“Vamos fazer uma viagem por aquilo que é a canção de Coimbra.
Abordamos os chamados temas clássicos dos anos 20, Edmundo Bettencourt com a canção “olhos claros”, o “fado das andorinhas” e outras guitarradas clássicas. Depois passamos um pouco por aquilo que é chamada a canção de intervenção, com Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira. E numa fase mais final dedicamos-nos às baladas de despedida, uma interpretação da balada do 5º ano jurídico de 1988/89 e a balada do sexto ano médico de 57/58 conhecida como “Coimbra tem mais encanto na hora da despedida.
Sendo um estilo musical que tem entre 100 a 150 anos, quando tocamos tentamos passar um pouco de tudo”, explicou Diogo Passos, um dos membros do grupo.
A atuar pela primeira vez em Bragança e confrontados com o facto de atuarem para mais de 500 pessoas, Diogo confessa que “é uma sensação muito boa” e ficaram “surpreendidos pela positiva” porque não estavam ”à espera de tocar num sítio tão bonito e com esta moldura humana” . “Ficámos mesmo abismados, aliás a primeira sensação que nós tivemos quando chegámos aqui foi de pegar nos telemóveis e tirar uma série de fotografias porque estava mesmo bonito. Acho que vai ser bom para todos, para a causa para a qual fomos convidados e para divulgarmos a nossa música aqui em Bragança”, salientou o músico.
Ao som de fados de Coimbra, as 550 pessoas tiveram direito a uma refeição, um caldo verde e uma chouriça assada, servida pelos os elementos dos Lions.
O Lions Club internacional é o maior clube de serviços do mundo, tem 1,4 milhões de homens e mulheres a prestarem auxílio e solidariedade em 192 países, em 45 mil clubes em todos os continentes.

Marta Pereira
Mensageiro de Bragança

Sem comentários: