quarta-feira, 1 de março de 2017

Butelos, e…

Foto: C.M. Bragança
De enchido de carácter entrudeiro e passaporte a validar no rito de passagem dessa quadra a produto culinário representativo de Bragança, foi determinante e trabalho da Confraria do Butelo, que recebeu e recebe apoio sem reservas da Autarquia bragançana.
Acerca das origens e influência do butelo já escrevi, desta feita o ter-se realizado no passado dia 16, em Lisboa, no restaurante da Dona Justa e do Sr. Nobre, o já habitual jantar de exaltação deste enchido e das cascas ou casulas leva-me a produzir nova crónica a extravasar o acontecimento em si.
Ninguém acredita no desinteresse da Câmara Municipal ao promover o achegamento de nordestinos, jornalistas, cozinheiros e tutti-quanti do universo culinário, obviamente o Dr. Hernâni Dias e seus colaboradores aspiram, desejam, querem aumentar a projecção e reconhecimento das amplas qualidades matriciais do concelho trazendo para cima da mesa um produto que «no antigamente» era concebido em estreita faixa da Terra Fria do Nordeste a na província de Leão até às adjacências de Bilbao.
O butelo ainda provoca indagações e se justifica documentário eivado de estridência ou alacridade, o ser apresentado na categoria de marca identitária de Bragança acarreta graves responsabilidades de vário recorte e matizes – autenticidade dos produtos, originalidade das receitas (assunto espinhoso), usanças culinárias, enlaces, apresentação – a que a Câmara e a Confraria têm de continuar e consequentemente a aumentar desvelos e atenções ao butelo. E…não só!
O E… acrescido das reticências titulares s têm a intenção de provocarem curiosidade, não no sentido de meter o nariz postado no Facebook, sim no propósito de levarem o leitor a tentar saber quais são as restantes Marcas emblemáticas do tesouro culinário de Bragança, seja no referente a entradas, caldos, pratos de peixe, de carne, folares e lambiscos. Ora, nesse tesouro existem fórmulas culinárias merecedoras de serem guindadas ao escalão da alta cozinha, de lograrem reconhecimento internacional tal como outras de menor rango o conseguiram, se há dúvidas consultem-se as tabelas classificativas da UNESCO.
O concelho brigantino não pode deixar passar ao lado a oportunidade de através da gastrónoma crescer e afirmar-se na Ibéria, os pessimistas façam o favor de pensarem no fascinante percurso do «jamon» até se transformar em poderosa arma da economia de Espanha.
Goste-se ou não os produtos transgénicos vão ganhar quota de mercado no atlas alimentar mundial, nos Estados Unidos acabam de ser aprovadas duas novas variedades comestíveis – maças rosadas e batatas – para já não entram na União Europeia, depois logo se vê.
Tendo em conta a acutilante realidade poderem-se perseverar e fruir produtos sem mácula e cozinhados ao modo dos nossos ancestrais é filão a explorar no bom sentido da palavra não descurando a sua sazão e engenhosos métodos de operacionalidade gastronómica e respectiva conservação. É a recuperação do Mundo perdido utilizando os benefícios do progresso científico e técnico. A competição é feroz, o competidor mora ao lado!
O jantar proporcionou-me rever caras e apertar mãos de gente conhecida, a fim de não cometer lapsos e obter resmungos não saliento ninguém, apesar da intenção cumpro a intonação de Orwell destacando a nossa referência moral da transmontanidade, o Professor Adriano Moreira, sempre arguto e informado, o anfitrião Hernâni Dias porque consegue transmitir eficazmente a mensagem sem ser maçudo, o advogado José Luís Seixas, deu-me a possibilidade de rememorar a nossa vetusta e querida cidade, ainda a sua Avó a distinta e respeitada professora Doa Beatriz Monteiro, e a sua Prima, a minha estimada amiga, a Maria do Loreto, e o Ezequiel Sequeira, fortaleza da boa disposição e cuidadosa encenação colateral.
Trocando um pedido por miúdos. Peço formalmente ao Presidente da Câmara de Bragança o favor de não esquecer o cabrito ao modo de Montesinho e o torradeiro. Vem aí a época. Obrigado. A seu tempo farei outras solicitações de defesa de comeres de cunho específico da Terra Fria.

Armando Fernandes 
PS. À Dona Justa e ao Sr. Nobre agradeço os efusivos cumprimentos.



Armando Fernandes
in:jornalnordeste.com

Sem comentários: