terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Entrevista ao Presidente da Junta de Freguesia de Baçal

O Memórias e Outras Coisas…entrevistou o Presidente da Junta de Freguesia de Baçal, Luís Filipe Carvalho, em sequência da inauguração do Centro de Convívio desta localidade Bragançana.

Memórias e Outras Coisas (MOC): Quando tanto se fala de desertificação da nossa área rural, o que levou a Junta de Freguesia de Baçal a lançar mãos a este projeto?

Luís Filipe Carvalho (LFC) : Por vezes são as próprias pessoas na constante repetição das palavras que criam conceitos de interioridade e desertificação… Baçal é uma aldeia dinâmica, com uma população considerável e que tem nos últimos anos verificado um aumento, significativo até, do número de pessoas residentes. Existem vários fatores associados a este fenómeno, entre os quais a proximidade à capital de distrito e a existência do maior empregador da região (Faurecia). Mas não só. Nestes últimos anos temos criado e melhorado as condições de vida da população, quer ao nível de infraestruturas mas também de políticas de proximidade que consigam cativar os investimentos e a fixação de pessoas. Como diariamente a aldeia é bastante frequentada por forasteiros e residentes, a requalificação e ampliação do centro de convívio era natural...

MOC: Os “Filhos da Terra” têm por hábito vir até à aldeia nos fins-de-semana e nas férias?

LFC: Os filhos da terra mantiveram-se praticamente todos na aldeia. Eu sou um exemplo do espirito de determinação e luta para que as nossas aldeias não percam as suas gentes e a sua identidade. Fiz o ensino superior no litoral e quando terminei, a minha vontade foi a de voltar e recomeçar a minha vida aqui. Vinha todos os fins-de-semana. Recordo-me perfeitamente que o pior dia era a segunda-feira porque faltavam ainda cinco dias para regressar à minha terra. Todos os outros que procuraram a vida fora ou emigraram marcam presença sempre que podem e participam de forma ativa na vida da aldeia.

MOC: Qual foi o volume do investimento e que entidades o comparticiparam?

LFC: O volume de investimento total foi de 125.000 euros e teve a comparticipação do município de Bragança na ordem dos 95.000 euros. O restante foi investimento da Junta de Freguesia.

MOC: Que horário de funcionamento irá ter o Centro de Convívio e a quem se destina?

LFC: O Centro de Convívio tem cerca de 20 anos. Funciona todos os dias da semana entre as 12:30 e as 0:00 horas. Destina-se sobretudo às gentes da aldeia e da freguesia, com o intuito de fomentar a confraternização e a aproximação das pessoas num espaço que é de todos. No entanto, são muitos os forasteiros que frequentam o bar do centro de convívio, pois é do conhecimento geral que Baçal é bastante procurada por ser a terra natal do famoso abade e historiador Francisco Manuel Alves, o Abade de Baçal.

MOC: Quais são as valências efetivas do Centro de Convívio?

LFC: O Centro de Convívio apresenta várias valências, tendo com esta requalificação e ampliação sido melhoradas as condições de conforto e bem-estar. O Edifício é composto por um bar, uma cozinha polivalente, um salão, gabinetes onde estão sediadas a Associação Cultural e Recreativa Abade de Baçal e a Junta de Agricultores e uma sala de reuniões. Para além das festividades religiosas, o espaço é utilizado pela associação e pelas comissões de festas para a realização de almoços e jantares convívio, para a realização da tradicional festa dos reis (ou dos rapazes), para realização de atividades pela associação de caçadores e sempre que solicitado pelas pessoas da aldeia para outro tipo de eventos ou festas particulares.

MOC: Deixe-nos a sua opinião sobre o que podem fazer as instituições e as autarquias locais, no sentido de alterar o que parece ser um trágico destino, a desertificação do Nordeste Transmontano.

LFC: As políticas deste executivo têm sido direcionadas para as pessoas em detrimento do betão e do investimento supérfluo. As necessidades básicas têm sido supridas e tem sido feito o que é essencial. Por vezes o simples facto de acompanharmos de perto as nossas gentes e o nosso território permite-nos perceber quais são as suas preocupações e as suas necessidades. Deve-se apoiar o investimento particular e desburocratizar os processos criando condições para que as pessoas se fixem.


MOC: Em ano de eleições autárquicas é inevitável fazermos a pergunta: - Será candidato a um novo mandato?

LFC: Posso dizer neste momento que serei candidato a mais um mandato à Junta de Freguesia que lidero. Aquilo que temos feito aliado à permanente vontade manifestada por muitas pessoas fez-me entender que o devia fazer.

Não podia terminar sem agradecer ao Memórias e Outras Coisas pela entrevista. Todas as formas de comunicação são essenciais e a liberdade de expressão é fundamental. Desejo que continues a dedicar uma parte do teu tempo a este blog pois são estas pequenas coisas de hoje que podem ser grandes no amanhã.

Cumprimentos pessoais com grande amizade associada,
Luís Filipe Carvalho

Eu é que agradeço a tua pronta disponibilidade em concederes esta curta entrevista.
Desejo-te os maiores êxitos pessoais e profissionais.

Um grande abraço.
Henrique Martins

1 comentário:

Miguel disse...

Conheci Baçal há alguns anos pelas mãos do Luís, e não há dúvida que é uma aldeia carismática!
Carisma esse que o Luís sempre fez questão de divulgar, e o seu orgulho na sua aldeia, na sua cidade, e na sua região, são de facto assinaláveis, fazendo crer que, e mais houvessem como ele, a desertificação do interior seria muito menor do que é.

Um bem haja

Miguel