sexta-feira, 5 de maio de 2017

Túnel do Marão contabiliza 3,8 milhões de veículos num ano

O Túnel do Marão foi atravessado por cerca de 3,85 milhões de veículos e contabiliza 7,5 milhões de euros de receita de portagens em um ano de funcionamento, disse hoje fonte da Infraestruturas de Portugal (IP).
A Autoestrada do Marão concluiu o prolongamento da A4 de Amarante a Vila Real, inclui um túnel rodoviário de 5,6 quilómetros e abriu ao trânsito a 08 de maio de 2016, aproximando o Interior do país do Litoral.

Segundo dados fornecidos à agência Lusa pela IP, desde a sua inauguração, mais de 3,85 milhões veículos atravessaram o maior túnel rodoviário da Península Ibérica (5,6 quilómetros).

Deste total, cerca de 12% corresponde ao tráfego de pesados.

De acordo com a fonte, as receitas de portagem nesta autoestrada, entre maio de 2016 e abril de 2017, ascendem aos 7,5 milhões de euros.

Neste primeiro ano de funcionamento notou-se uma transferência do tráfego do Itinerário Principal 4 (IP4) para a nova autoestrada, mas esta captou também trânsito de outras vias, como das autoestradas A24 ou A7.

Por exemplo, verificou-se uma redução de cerca de 75% de tráfego no troço do IP4 Vila Real/Parada de Cunhos.

Estes valores, para a IP, "demonstram que o Túnel do Marão não é uma alternativa ao IP4 mas sim o percurso preferencial dos automobilistas".

O Túnel do Marão é considerado "um marco" por utentes e empresários transmontanos, que têm nesta autoestrada a principal opção para as deslocações entre o Interior e o Litoral.

Jorge Santos, da transportadora Rodonorte, fez um "balanço positivo" deste primeiro ano de Túnel do Marão, essencialmente porque "o tempo de viagem diminuiu" e a "viagem é também mais cómoda para os passageiros".

Apesar de os autocarros terem passado a consumir menos combustível, já que a A4 permite evitar a subida à serra do Marão pelo IP4, segundo o responsável, o preço do combustível subiu neste último ano.

Jorge Santos referiu ainda que a empresa passou a gastar cerca de 80 mil euros, por ano, com as portagens, mas considerou que, no caso do túnel, este "custo compensa pela comodidade que é proporcionada" aos passageiros.

Por apurar, segundo o responsável, estão os custos com a manutenção dos autocarros.

"Como o túnel ainda é uma obra recente, tem um ano, ainda não conseguimos medir esse impacto, mas admitimos que, como as viaturas têm um menor desgaste, porque a estradas é menos sinuosa, a prazo vamos ter aqui alguma poupança neste aspeto", afirmou.

Agência Lusa

Sem comentários: