terça-feira, 27 de junho de 2017

Arte Urbana dá cor a Bragança

Bragança uma cidade de todos e para todos, foi o tema que deu mote à edição deste ano do Festival de Arte Urbana, que durante três dias trouxe 11 artistas nacionais e internacionais, aos quais se juntaram os alunos de escolas do concelho, para darem cor e vida às paredes da capital de distrito.
Na edição deste ano do Sm’arte, o epicentro do festival é o bairro da mãe d’água onde se encontram a maior parte das pinturas. A Brigantia esteve por lá e falou com alguns dos artistas.
Nuno Barbado, mais conhecido por The Caver regressa a Bragança cidade onde diz sentir-se acolhido e acrescenta que a experiência de pintar no bairro é muito positiva  “Este ano temos paredes generosas e é bom estar aqui no bairro, no ano passado pintei no centro da cidade, apesar das pessoas gostarem acho que este ano estão mais receptivas.”
Frederico Draw outro dos artistas também sublinha que o envolvimento com a comunidade é uma das coisas que mais o cativa e o faz regressar a Bragança. O artista considera que esta “pode ser uma forma de reintegrar o bairro na cidade e trazer pessoas a visitar este sítio e a conviver com as pessoas que aqui vivem, porque a arte tem esse poder.”
Com uma expressão quase inexistente do movimento da arte urbana nesta região, Ricardo Brás, mais conhecido por Trip, é natural do concelho de Vila Flor e o único profissional do graffiti em todo o distrito, pinta desde os 13 anos e “há muito tempo que queria ver um projecto como este festival desenvolvido na região.”
Brigantino e a estrear-se neste festival esteve Pedro Rodrigues, faz um balanço positivo da edição deste ano, que considera ter evoluído em relação ao ano anterior.  “ É a minha primeira vez como artista, este ano fui convidado, mas no ano passado já tinha andado atento aos trabalhos e acho que este ano a organização e o espaço disponibilizado está melhor, mas eu preferia uma parede maior.”  
A par destas intervenções foi ainda inaugurado, um mural alusivo ao projecto internacional “Before I die…”, onde as pessoas são convidadas a escrever qual é o sonho que gostavam de realizar antes de morrer.

Transformar Bragança numa referência nacional na reabilitação urbana, através do conceito de Street Art, melhorar a imagem da cidade, requalificar o espaço público e atrair novos turistas ligados ao conceito de arte urbana de rua são alguns dos objectivos desta iniciativa. Os artistas que por cá passaram deixam manifesta a vontade de regressar para dar mais vida e expressão às paredes da cidade.

Escrito por Brigantia

Sem comentários: