terça-feira, 27 de novembro de 2012

O futuro está no repartir

por FERREIRA FERNANDES

No passado fim de semana, Miranda do Douro chamou as atenções internacionais por causa do encontro de mirandeses no adro da Catedral para marcar um referendo sobre a independência.
A Sé Catedral mirandesa não teve um arquiteto tão famoso como Gaudí, mas também a Sagrada Família não tem o Menino Jesus da Cartolinha.
O encontro no adro levou a especulações que ultrapassaram o âmbito meramente político: o Clube de Futebol Mirandês, caso o referendo vingue, voltaria a jogar na distrital da Associação de Futebol de Bragança ou ingressaria na Liga Espanhola, ao lado do Real Madrid?
E Duarte Lima pediria asilo à cidade da sua infância?
À parte essas dúvidas colaterais, uma eventual independência de Miranda do Douro é encarada pelas instâncias internacionais com naturalidade.
Por um lado, a dívida da região mirandesa é muito inferior à do resto de Portugal. Por outro, existe uma forte unidade nacional linguística, que junta 16 das freguesias da região, de Dues Eigreijas a Bila Chana de Barceosa (a que Lisboa ainda chama Duas Igrejas e Vila Chã de Braciosa).
Acresce que com o precedente aberto a 17.ª freguesia, Sendim, unida à volta da sua língua, o sendinense, também poderia aceder à sua própria independência. Saúde-se esta tendência moderna que, por ironia, acontece quando o primeiro-ministro inglês, num ato retrógrado, escolheu ontem para presidente do Banco de Inglaterra um canadiano.

in:dn.pt

Sem comentários: